Técnico santista refuta apelar para o lado emocional como motivação

"Acredito que pôr bilhetinho da vovó em baixo do travesseiro, aí o cara entra chorando, não dá certo. A motivação está no Santos, as outras motivações deixa pra lá", disse Marcelo Fernandes

Comentar
Compartilhar
03 ABR 201516h19

O futebol brasileiro, historicamente, teve e ainda tem técnicos que usam da psicologia e da parte emocional para motivar e empolgar seus atletas antes de uma grande partida. Há quem convide algum ídolo ou exemplo de superação para servir de inspiração aos jogadores, há quem seja adepto de vídeos com familiares, entre outras tantas ideias.

No Santos, o técnico Marcelo Fernandes garante que não precisará usar nenhuma dessas ‘armas’ para elevar o moral do grupo antes do duelo contra o Corinthians, neste domingo, em Itaquera.

"Acredito que pôr bilhetinho da vovó em baixo do travesseiro, aí o cara entra chorando, não dá certo. A motivação está no Santos, as outras motivações deixa pra lá", disse, aos risos, na sala de imprensa do CT Rei Pelé, em sua última entrevista antes do clássico válido pela 14ª rodada do Campeonato Paulista.

Entre os jogadores, o treinador confirmou que Robinho, capitão da equipe, é quem mais se dirige aos companheiros durante a preparação para um grande confronto, como deve ser o deste domingo.

"Acho que é normal, do dia-a-dia. O Robinho empolga o elenco. A motivação já é natural, vamos enfrentar uma equipe invicta, queremos ir lá e fazer um grande jogo. Isso, sim, é uma motivação", explicou. 

       O técnico Marcelo Fernandes apontou Robinho como o jogador que mais motiva o elenco (Foto: Ivan Storti/SFC)

O Corinthians não perde em casa há 28 partidas, caiu apenas na inauguração do estádio, diante do Figueirense. Além disso, está invicto na temporada e lidera tanto o Paulistão quanto seu grupo na Libertadores da América. Para Marcelo Fernandes, porém, o Peixe não fica muito atrás do rival.

"O Santos também é (dono de um bom retrospecto), perdeu o primeiro jogo agora, é um clássico, eles encaram da mesma forma, Santos também é grande", ressaltou. "É a grande chance do Santos mostrar a sua força, que está inteiro nas finais. Não podemos pecar nos detalhes", concluiu o técnico, que, após derrotar o Palmeiras, disputará seu primeiro Corinthians e Santos à frente da equipe do litoral paulista.