Robinho cobra diretoria e não descarta jogar em rivais de São Paulo

O camisa 7 aproveita para mandar um recado para a diretoria alvinegra, que até agora não sentou para discutir sua renovação

Comentar
Compartilhar
21 MAI 201516h48

O futuro do atacante Robinho tomou conta dos noticiários nos últimos dias e, por isso, o próprio jogador resolveu conceder uma entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, no CT Rei Pelé, para tentar esclarecer alguns fatos. Sem revelar qualquer novidade quanto a acerto com o Santos ou qualquer outro clube, o camisa 7 aproveitou o momento para mandar um recado para a diretoria alvinegra, que até agora não sentou para discutir sua renovação.

"Nos últimos dias, o presidente falou que tinha uma reunião agendada, mas eu não tenho pressa, a diretoria que tem que se manifestar ou ter pressa, eu tenho que treinar forte, me dedicar. Se alguém tiver que ter pressa, não é da minha parte", disse o jogador.

"É o que espero (renovar), no Santos estou em casa, me sinto feliz, a diretoria já agendou uma conversa com minha empresária e meu pai e é o que quero, ficar”, ressaltou.

Porém, para renovar seu contrato, que termina dia 30 de junho, o Rei das Pedaladas não abre mão de acertar os valores que o clube lhe deve, cerca de R$ 3,5 milhões por causa de cinco meses de direitos de imagem atrasados. 

"Não adianta a gente pensar no futuro se atualmente não está nada certo, não só comigo, como outros jogadores. Depois pensar em projetos futuros, vou dar preferência ao clube que me criou, mas tenho sim que acertar as pendências, como o grupo todo, e depois pensar em renovação", avisou, lembrando que outros atletas do elenco também estão com os direitos de imagem atrasados. 

Além de  cobrar uma solução de Modesto Roma Jr e toda a cúpula alvinegra, Robinho ainda surpreendeu ao não negar que pode jogar por qualquer outro clube brasileiro, até mesmo um arquirrival de São Paulo.

"Sou profissional, tudo pode acontecer. O clube que fizer uma proposta melhor vou procurar atender da melhor maneira possível. Sou profissional", afirmou. "Preferência pelo Santos porque fui criado aqui, mas no futebol as coisas mudam muito rápido. Nunca quis usar o clube, mas o clube que fizer uma proposta melhor vou pensar com carinho", explicou.