Gol sem querer garante vitória e alívio ao Corinthians no interior

O resultado positivo assegura ao menos o sexto ponto e uma semana mais tranquila de trabalho depois dos protestos da torcida pelo tropeço de quarta-feira passada

Comentar
Compartilhar
17 MAI 201504h10

Passados três dias da queda na Copa Libertadores, o Corinthians fez a lição de casa – fora dela, na verdade – no Campeonato Brasileiro e derrotou a Chapecoense por 1 a 0, em Araraquara. Não foi com uma exibição convincente, e sim com um gol sem querer, mas o resultado positivo assegura ao menos o sexto ponto e uma semana mais tranquila de trabalho depois dos protestos da torcida pelo tropeço de quarta-feira passada.

Transferida para o interior em decorrência de punição desportiva pela presença de sinalizadores na torcida, ainda na edição passada, a partida foi bastante equilibrada e acabou sendo decidida graças a um desvio acidental de cabeça de Stiven Mendoza após finalização de Fábio Santos de fora da área, no primeiro tempo. Não fosse o toque no atacante colombiano, o arremate talvez nem fosse em direção à meta do goleiro Danilo, que se viu traído pela mudança de direção da bola.

A segunda etapa foi ainda mais fraca. Tite gastou as três substituições, a fim de imprimir melhor ritmo de jogo, mas o que se viu foi um Corinthians discreto, diante de uma Chapecoense limitada. O terceiro compromisso da equipe alvinegra na competição será somente no próximo domingo, diante do Fluminense, no Maracanã. No mesmo dia, a Chapecoense (que também vem de uma eliminação, mas na Copa do Brasil) joga em Santa Catarina, contra o Santos.

Desvio de Mendoza em arremate de Fábio Santos deslocou o goleiro (Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

Neste sábado, a formação corintiana foi bem diferente em relação à derrota para o Guaraní, do Paraguai. O veterano Edu Dracena substituiu o contestado Felipe, que sentiu dor nas costas. Já Mendoza herdou a vaga de Renato Augusto, depois que o meia acusou trauma na perna esquerda. Por fim, Edílson ganhou a posição de Fagner na lateral direita.

De início, a formação funcionou bem, acuando o adversário em seu campo de defesa. Aos seis minutos, Guerrero arriscou da meia direita, e um leve desvio no caminho dificultou a defesa de Danilo, que, no minuto seguinte, teve trabalho novamente. Jadson aproveitou cruzamento de Edílson e cabeceou com perigo. O goleiro fez a defesa, e a bola ainda tocou o travessão.

Depois da pressão, porém, a equipe catarinense conseguiu equilibrar o jogo. Com números próximos de posse de bola, passou a aparecer mais no campo de ataque. Até que, aos 22 minutos, Roger escapou da marcação e chutou de bico, da entrada da área. No meio do gol, Cássio espalmou para frente e precisou de ajuda de Fábio Santos para afastar a bola da área.

Cinco minutos mais tarde, o Corinthians encontrou seu gol. Após dois escanteios consecutivos pela esquerda, a bola sobrou para Fábio Santos, pouco atrás da meia-lua. O lateral arriscou o chute e acertou a cabeça de Mendoza. O desvio no colombiano enganou o goleiro Danilo, que viu a bola tomar direção contrária e balançar a rede. A Chapecoense até tentou buscar o empate antes do intervalo, porém exagerou na quantidade de impedimentos e passes errados.

Se a primeira metade de jogo já havia sido apenas razoável, a segunda foi ainda pior. Tite sacou Elias, Mendoza e Malcom, dando lugar a Bruno Henrique, Emerson e Petros. A exceção na demonstração de vontade foi Guerrero, sem sucesso nas finalizações, contudo. Vinícius Eutrópio também gastou as três alterações, mas seu time quase não fez Cássio trabalhar.