X

TANGERINA

Safra da ponkan começa agora e vai entregar a fruta mais barata do ano

Rica em sódio e vitaminas A, B1 e C, a fruta também tem fósforo e cálcio, que favorecem o desenvolvimento dos ossos, e magnésio, que tonifica articulações e músculos

Nilson Regalado

Publicado em 02/04/2024 às 08:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O fato de a ponkan se deteriorar rapidamente também joga contra o preço alto / GILSON ABREU/AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS

A colheita da tangerina ponkan começou timidamente no final de março em pomares do Interior de São Paulo. E o arbusto Citrus reticulata que produz a ponkan é uma das plantas mais produtivas durante seu período de safra, o que transforma a fruta em uma das mais baratas à disposição do consumidor. Além da alta produtividade, é quase impossível agregar valor às tangerinas, que oxidam rapidamente, dificultando processos industriais de transformação em sucos e geleias. Portanto, as tangerinas são, na essência, frutas para serem consumidas in natura.

Siga as notícias do Diário do Litoral no Google Notícias

Laranja fecha março com maior valor dos últimos 30 anos

A safra se estende por todo o outono e o inverno, tanto nas regiões de Limeira, Bebedouro e Mogiana quanto no sul de Minas Gerais e no Triângulo Mineiro, que também começam a fornecer a fruta às centrais atacadistas a partir de agora.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Preço da nanica despenca no Vale, mas laranja e limão disparam

Além da alta produtividade confinada em cinco meses do ano, o fato de a ponkan se deteriorar rapidamente também joga contra o preço alto. É o chamado curto prazo de gôndola. Colhida, ela deve chegar ao varejo em 24 horas. Sem poder industrializar a polpa nem armazenar em câmaras climatizadas, o produtor sabe que, se não aceitar o preço oferecido pelo atravessador, a fruta amadurece e cai no chão, imprestável para o consumo. Portanto, a pechincha é a palavra de ordem, desde o campo até a barraca na feira.

Segundo o Centro de Estudos em Economia Aplicada, ligado à Escola de Agronomia da USP, os volumes disponibilizados nos pomares paulistas ainda estão bastante limitados. E isso tem mantido os preços em patamares atípicos no campo. A média da última semana de março foi de R$ 95,53 pela caixa de 27 quilos. E esse valor é na árvore, ou seja, sem incluir custos com colheita e transporte.

Clima e avanço nas colheitas seguem ditando as cotações das frutas na roça e no atacado

Essa cotação representou aumento de 36,4% em relação à última semana de março do ano passado, quando a fruta foi comercializada por R$ 70,04 a caixa. Só para se ter uma ideia, no auge da safra passada a ponkan chegou a ser comercializada na Ceasa de Belo Horizonte por R$ 1,11, em 14 de julho de 2023. Ou seja, nos próximos meses o valor da fruta tende a despencar.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Confira o resultado da Dupla Sena no concurso 2650, nesta segunda (15)

O prêmio é de R$ 1.100.000,00

Cotidiano

Confira o resultado da Super Sete no concurso 532, nesta segunda (15)

O prêmio é de R$ 300.000,00

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter