X

Diário Mais

Porque exumar os mortos pela covid-19 está gerando preocupação?

Cemitérios do Brasil e do mundo tem enfrentado problemas com esses corpos

Jeferson Marques

Publicado em 16/02/2024 às 13:35

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Sacos mortuários estariam atrapalhando a decomposição dos mortos pela covid-19 / Foto de Renato Danyi/Pexels

Há pouco mais de três anos começava em todo o mundo a multiplicação da covid-19. Até o momento já são mais de 6 milhões de mortes - mas há quem defenda que estes números podem chegar a 15 milhões, levando em consideração países poucos desenvolvidos, que tinham dificuldade em contabilizar os óbitos, e outros que ocultaram a real situação de calamidade -. Passado este período, a exumação dos primeiros mortos pela covid-19 começou, e isso tem gerado preocupação nos cemitérios de todo o mundo.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Um dos protocolos mais adotados pelos hospitais e funerárias durante o surto de covid-19 era o de enterrar as vítimas em sacos mortuários ou urnas lacradas. Todavia, todo o líquido que sai de um corpo humano em decomposição (chamado cientificamente de necrochorume) ficaria retido nestes sacos, o que mudaria toda a colonização das bactérias e demais microorganismos envolvidos nas etapas de dissolução dos cadáveres.

No Youtube é possível se deparar com vídeos nacionais e internacionais de coveiros e demais funcionários de cemitérios mostrando a exumação de mortos pela covid-19 e a abertura dos sacos mortuários. Em muitos deles os corpos ainda não estão totalmente decompostos, e teriam que voltar à sepultura para aguardar mais um período de meses.

A decomposição

Cerca de 8 a 12 horas após a morte, o corpo inicia a primeira etapa da decomposição. É quando o sangue para de circular, coagula, o cadáver esfria e as células deixam de receber os nutrientes vitais e demais componentes.

Na segunda etapa começa a putrefação. As bactérias que estão no intestino do morto digerem as proteínas ali presentes, o que ocasiona centenas de milhares de gases. Aqui, o corpo incha, ganha coloração esverdeada e é tomado por forte odor. Essa etapa ocorre de 25 a 48 horas após o óbito.

A terceira etapa é chamada de colonização. Aqui os insetos são atraídos pelo cheiro podre do corpo e passam a depositar ovos que, pouco depois, se tornam larvas. Elas passam a fazer do cadáver a sua morada e o tem como próprio alimento. Essa fase tende a começar entre 48 e 56 horas após a morte.

Na quarta fase do processo de decomposição essas mesmas larvas e demais microorganismos precisam migrar para outras regiões, já que a pele e couro do defunto foram devorados. E aqui passam diversas semanas - até meses - até que o estágio final do processo ocorra, que é a esqueletização.

A maneira como os mortos pela covid-19 eram enterrados afetaria a passagem da segunda para a terceira etapas da decomposição. Com o corpo embalado em sacos de alta resistência ou receptáculos, os líquidos não sairiam e abririam passagem para a fase três, já que os insetos e outros microorganismos externos não teriam acesso aos despojos humanos. E isso afeteria diretamente as etapas quatro e cinco, cruciais para uma deterioração normal.

Além disso o especialista em direito, jornalista, teólogo e escritor Michael Wender de Paula Souza publicou um artigo, chamado "Reflexões sobre o processo de exumação dos cadáveres suspeitos ou confirmados por covid-19", onde cita a preocupação com os protocolos de exumação dos mortos pela covid-19, já que não há diretrizes estabelecidas por órgãos competentes sobre o manejo destes cadáveres e o quão seguro seria desenterrá-los nos prazos legais de 3 anos após a morte.

A apreensão de Souza é diretamente com relação aos funcionários do cemitério ligados à exumações.

Segundo o autor, são necessários estudos e debates cautelosos sobre a segurança destes trabalhadores ao manusear corpos vítimas de covid-19, citando, inclusive, os riscos de contaminação ambiental.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Praia Grande tem novos pontos com radares e lombadas eletrônicas; veja onde

A velocidade máxima permitida nas lombadas eletrônicas será de 40km/h e nos radares de 60km/h

ESPORTE REGIONAL

Portuários Stadium reúne crianças e adolescentes com o ThaiKids em Santos

Evento acontece no próximo dia 27

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter