Peruíbe: 48 anos de emancipação político administrativa

Às portas da Juréia, uma cidade rica em história, lendas e curas medicinais

Comentar
Compartilhar
03 MAR 201300h52

Peruíbe comemora, neste domingo, 48 anos de emancipação político-administrativa. A Cidade, cujo povoado iniciou no século XVI e recebeu o nome de aldeia de São João Batista, é rica em lendas e crendices, além de abranger praias belíssimas cercadas pela cadeia de montanhas do Itatins, às portas da Juréia. O Município, além da vocação turística, atrai visitantes em busca de cura, após a comprovação dos efeitos medicinais da lama negra.

Segundo o diretor de imprensa de Peruíbe, Sílvio Siqueira Junior, nos dois primeiros anos de gestão do prefeito José Roberto Preto, a Administração Municipal investiu em infra-estrutura, reurbanização da orla da praia e recapeamento nas principais avenidas para trazer de volta os veranistas que, aos poucos, foram deixando o Município, que encontrava-se estagnado. “Os veranistas é que geram economia para a Cidade”.

Sílvio adiantou os próximos projetos do Executivo que incluem a construção de um Hospital Municipal para descentralizar os serviços de saúde, da unidade atual — que abrange ainda maternidade e pronto-socorro —  e obras de ampliação das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e Postos de Saúde da Família (PSFs). “Os postos de Saúde da Família aumentarão de 8 para 12, unidades, a partir de março”.

Outros investimentos no Município foi a implantação do Centro Paula Souza e Senai, ambos voltados para a capacitação profissional. Sílvio disse ainda que os bairros também receberão obras de reurbanização.

O diretor de imprensa do Município explicou que como o aniversário da Cidade cai num domingo de Carnaval, as festividades serão divididas. “Neste domingo teremos o hasteamento da bandeira, uma solenidade na Câmara Municipal e depois as comemorações seguem com os desfiles dos blocos que sairão da praça da Rodoviária. Já o bolo de aniversário ficará para o próximo dia 24, pois a festa acontece todos os anos justamente na Praça da Rodoviária”.

Peruíbe tem 65 mil habitantes, mas o número de residências de veranistas é quase o dobro. São 27.216 casas de veraneio contra 14.518, de moradores. Para a dona de casa, Márcia dos Santos, Peruíbe é “uma cidade aconchegante, apesar de ter suas dificuldades como a falta de emprego”, declarou a moradora que teve três de seus cinco filhos, em Peruíbe.

A falta de oportunidades também é apontada pelo lavrador, Lourival da Silva. “Deveria ter uma empresa aqui para dar mais empregos, não tem nada. Só na temporada”. Já o aposentado que escolheu a Cidade para viver, não tem do que se queixar. “Eu sou de Barretos, me aposentei e me mudei para cá. Aqui é bom”, declarou Victor Gonçalves.