X
Cotidiano

Vigilância Sanitária alerta para a contaminação cruzada nas refeições fora de casa

Estabelecimentos devem fornecer aos clientes, por exemplo, catchup, mostarda e maionese em embalagens individuais, descartáveis e hermeticamente fechados

Fiscais da Seção de Vigilância Sanitária (Sevisa) dão orientações aos responsáveis pelos estabelecimentos comerciais / Divulgação/PMS

O que palitos de dentes não embalados individualmente, molhos em bisnagas e talheres com cabos de madeira têm em comum? Permitem a contaminação cruzada entre pessoas que o utilizam. O mesmo vale para o açúcar do cafezinho que não é oferecido em sachê.

A contaminação cruzada é a transferência de micro-organismos (bactérias, parasitas ou vírus) por meio de alimentos, superfícies e materiais de produção. Vale lembrar que esses contaminantes podem sobreviver nas mãos, roupas e utensílios por dias.

O Código de Posturas de Santos, e suas atualizações, prevê, no artigo 98, que os estabelecimentos devem fornecer aos clientes "catchup, mostarda e maionese em embalagens individuais, descartáveis e hermeticamente fechados". Essa ação previne que um bico de bisnaga contaminado após o uso inadequado de uma pessoa possa vir a contaminar o consumidor seguinte.

Além disso, os molhos em sachês possuem conservantes que permitem que sejam ofertados sem a necessidade de mantê-los sob refrigeração para que não estraguem – o que não ocorre com os ofertados em bisnagas, que podem facilmente perder suas características no calor, podendo causar problemas à saúde de quem os ingere.

O mesmo artigo do Código de Posturas também prevê o oferecimento de palitos de madeira "individualmente embalados e hermeticamente fechados". O manuseio de um paliteiro por muitas pessoas pode permitir a transmissão de micro-organismos danosos.

Em sua rotina de vistorias, os fiscais da Seção de Vigilância Sanitária (Sevisa) dão ainda outras orientações aos responsáveis pelos estabelecimentos comerciais: uma delas é banir talheres com cabo de madeira e trocar os que tem cabo de plástico pelos inteiriços, de metal.

"A madeira é um material poroso que permite a retenção de restos de alimentos e de micro-organismos, já o plástico deve ser bem lavado para não acumular sujeira nas emendas. Não há lei que obrigue o uso do talher de metal, que é o mais higiênico, mas o nível de limpeza do local é critério da autoridade sanitária. Se o talher apresentar sujeira, o estabelecimento pode ser intimado e até multado. Sempre recomendamos o uso do talher de metal", explica André Ferreira Ignácio, chefe de atividades técnicas da Sevisa.

Além do ambiente onde são realizadas as refeições pelos clientes, a cozinha do estabelecimento também é um local propício para a contaminação cruzada. Algumas ações nunca devem ser realizadas como: utilizar a mesma faca para cortar carne e outros alimentos sem que seja devidamente higienizada entre os usos; quem manipula os alimentos não deve portar anéis, pulseiras, brincos e nem usar maquiagem; além de usar uniforme limpo, com touca e, de preferência, em tom claro e sapatos fechados.

"Quando tem acesso à cozinha, o cliente deve observar o estado geral de limpeza e a organização do local. Pela experiência em vigilância sanitária, um ambiente desorganizado geralmente é um ambiente sujo", destaca André.

Pelo artigo 91 do Código de Posturas, "os proprietários de restaurantes, hotéis e similares ficam obrigados, por si ou seus prepostos, a permitir o acesso de seu público consumidor à cozinha e demais dependências desses estabelecimentos, onde são armazenados e preparados os alimentos".

Documentos

A licença sanitária do estabelecimento, que é válida por um ano, deve estar afixada em local visível ao público. O documento garante que o estabelecimento cumpriu com todas as normas no dia em que foi vistoriado, inclusive com a obrigatoriedade do curso de manipulação de alimentos pelos profissionais que preparam a comida.

"Sendo constatada situação irregular que gere risco à saúde pública, mesmo dentro do prazo de validade do documento, pode ser revogada", lembra Everton de Paula Yoneda, coordenador de Vigilância em Saúde.

Denúncias de irregularidades podem ser feitas à Ouvidoria pela Internet (www.santos.sp.gov.br/ouvidoria), das 8h às 18h, pelo telefone 162 ou pessoalmente no Paço Municipal (Praça Mauá s/n°, térreo).

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos discute queda de Carille em reunião nesta segunda

Dois PMs morrem com suspeita de febre maculosa durante curso

Vítimas eram instrutores da COPC, que teve uma fase de curso em área de mata. Casos seguem em análise pela Fiocruz

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software