X
Cotidiano

Tratamentos dermatológicos ajudam a controlar alergias de pets

Dra. Priscila Jens explica como diagnóstico correto ajuda a controlar problemas, ainda mais neste calorão

Cerca de 60% dos pacientes procuram as clínicas veterinárias por conta de algum mal dermatológico / ROVENA ROSA / AGÊNCIA BRASIL

Kiko é da raça lhasa apso e tem 16 anos, um cãozinho experiente que já tem estrada e desde novinho tem problemas severos de alergia. Mas, esta longa jornada só foi possível de maneira mais tranqüila, porque desde pequenininho, a Dra. Priscila Jens, médica veterinária especializada em dermatologia há mais de 10 anos deu o tratamento correto. "Graças ao tratamento, o Kiko tem uma vida mais saudável e o desenvolvimento dele não foi afetado", comemora a tutora Carmem Mosteiro.

E o caso dele não é único, cerca de 60% dos pacientes procuram as clínicas veterinárias por conta de algum mal dermatológico. Dentre os problemas de pele, as alergias são as mais freqüentes. A saúde é conectada, as dermatites refletem uma inflamação do organismo. "O centro da saúde é o intestino que absorve os nutrientes e também onde está situado o sistema imunológico. Então, é de lá que saem as doenças. As alergias têm um leito genético e quando estes genes acordam, digamos assim, acaba sendo por conta de gatilhos como rações industrializadas, com aditivos e conservantes ou ingredientes que não são bem digeridos como milho, trigo e soja. Outra questão também é o uso de antibióticos que pode ser prescrito de forma excessiva, a amamentação incorreta. É desses gatilhos que ocorre a inflamação do intestino, predispondo o desenvolvimento das alergias que nada mais são do que a inflamação da pele devido a reatividade do sistema imunológico. É uma doença que não tem cura e precisa de manutenção para o resto da vida", explica a dra. Priscila Jens.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Quando falamos em alergia, lembramos também deste calorão. Tivemos um dos dias mais quentes do ano e como estamos numa região de praia, suscetível a altas temperaturas ela acaba ativando as coceiras. E se o animal estiver numa crise de coceira com o aumento da temperatura? Não se desespere. E também não corra pro pet shop pra tosar o bicinho! A pelagem é a proteção e existe uma função de regulação de temperatura que protege da radiação solar. Ou seja, os pelos fazem regulação térmica no calor e tem como função não deixar absorver tanto calor e no inverno, não dissipar este calor. Aquela tosa muito curtinha pode ser prejudicial, sabe porque um cão que passeia bastante pode sentir mais calor porque ele não vai ter aquela camada de pelo e vai receber calor o tempo todo e não ficar fresquinho como pensam. O ideal é no mínimo deixar de dois a três dedos de pelo para que a pelagem siga fazendo a função de regulação térmica dele.

Além disso, a exposição solar crônica pode levar os pets a dermatite actínica, que é o pré-câncer de pele. Isto é muito perigoso, porque são áreas que podem ser avermelhadas, fazer feridas que não cicatrizam e ficam com o acúmulo de queratina no folículo. E detalhe: tem algumas raças que os cães tomam sol de barriga pra cima e a barriguinha não tem muito pelo e acabam sendo áreas afetadas. "Isso é grave porque pode fazer uma foliculite até chegar a evoluir por um carcinoma solar, que é o é o câncer já instalado".

Outra dica de ouro é ficar ligado no horário de passear com os cães nesta época do ano: no máximo  dez horas da manhã e depois lá pro fim da tarde, comecinho da noite, onde o chão não tá tão quente e lógico, se tiver dúvida coloca o seu pé no chão pra ver se o pet vai agüentar. Porque o coxim, a patinha, é um tecido mais resistente, mais queratinizado, mas ele pode queimar sim e gerar a queimadura de patinha.

Outra questão muito importante em dias mais quentes é a questão da pulga e carrapato. Como estamos num país tropical, além daquela quentura tem a alta umidade. E isso é um prato cheio para proliferação de pulgas e carrapatos. Quando pensamos em calor, tem a questão da hidratação também.

Você sabia que os bichinhos também precisam de mais líquidos. E se ele tem alergia, a tendência é a pele ficar ressecada. Quer uma dica valiosa? Você sabia que pode borrifar ou deixar vários potes bem fresquinhos pro pet poder beber água ou deixar também cubinhos de gelo pra deixar a água fresquinha, afinal eles também não querem beber aquela água fervendo que parece um chá.

Na dúvida, sempre lembre que seu pet também precisa se hidratar e se refrescar pra passar por este verão sem nenhum problema a mais. E sempre se lembra de passar por um veterinário a qualquer sinal de dúvida.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Litoral Norte

Inverno quente no Circuito Litoral Norte de São Paulo: atrativos e eventos agitam a temporada

Mesmo durante a estação mais fria do ano, as cinco cidades continuam formando um dos principais destinos do estado para curtir a natureza

Polícia Ambiental

Armamentos e quase 50 munições de diversos calibres são apreendidos na Serra do Mar; vídeo

Dentro da bolsa ainda havia uma sacola plástica com partes de dois animais mortos e congelados, sendo eles um gambá e uma paca

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software