Telefonia em discussão

Participaram da reunião representantes da Telefonica, Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e Centro de Orientação e Defesa do Consumidor de Santos (Cidoc)

Comentar
Compartilhar
27 FEV 201322h46

A qualidade dos serviços de telefonia, o atendimento ao consumidor e a conversão do sistema de cobrança de chamadas de pulsos para minutos foram os temas debatidos na reunião promovida pela Comissão Permanente de Defesa do Consumidor, na tarde de ontem, na Sala Princesa Isabel, da Câmara de Santos.

Participaram da reunião representantes da Telefonica, Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e Centro de Orientação e Defesa do Consumidor de Santos (Cidoc).

Os serviços de telefonia prestados pela Telefonica foram explanados pelo diretor de Relações Institucionais da empresa, Evair Morais. “Essas reuniões são muito importantes para aprimorar ainda mais a qualidade dos serviços que oferecemos”, afirmou Morais.

Só na Cidade de Santos existem 177.818 assinaturas. Destas, 121.992 são linhas residenciais; 42.847, comerciais; e 25.653, banda larga/speed. Além disso, a Telefonica é responsável por 3.397 telefones públicos no Município.

“Nossa reunião de hoje foi positiva. A empresa também se comprometeu a vistoriar todos os orelhões da Cidade”, disse o presidente da comissão, vereador Antonio Carlos Banha Joaquim, de posse de um levantamento da Anatel que aponta que de 326 telefones públicos vistoriados, em Santos, no ano passado, 110 apresentavam problemas de conservação e limpeza.

O chefe do Cidoc, João Carlos Vieira, apresentou os índices de reclamações de consumidores contra a Telefonica, no período de janeiro a abril deste ano. De acordo com Vieira, a cobrança indevida responde por 92% das reclamações, em seguida vem pagamento em duplicidade, 5%, e cancelamento de linha não efetivado, 3%. “É importante ressaltar que do total de queixas contra a Telefonica conseguimos solucionar 84,52% dos casos”.

Já o assessor do diretor regional da Anatel no Estado de São Paulo, Arnaldo Souza Filho, disse que a partir da conversão para minutos o número de reclamações no Cidoc reduzirá drasticamente. “O consumidor terá como aferir seu consumo exato, pois com o plano de minutos, todas as ligações locais virão discriminadas na conta. No sistema atual de pulsos não é possível identificar a origem das chamadas locais”. O sistema de cobrança de chamadas por minutos entra em vigor no próximo dia 2 de julho.