Santos que reduzir pela metade o prazo para poda de árvores

Hoje, o tempo de espera para o atendimento da solicitação é de 241 dias

Comentar
Compartilhar
25 SET 2018Por Caroline Souza08h20
Hoje, o tempo de espera para solicitações de poda é de 241 diasHoje, o tempo de espera para solicitações de poda é de 241 diasFoto: Paolo Perillo/DL

A Prefeitura de Santos anunciou ontem um pacote de medidas para melhorar o serviço de arborização da cidade. Dentre os serviços, o que mais gera reclamações na ouvidoria é a poda de árvores. Hoje, o tempo de espera para o atendimento da solicitação é de 241 dias. A expectativa é diminuir para 170 (30%) até setembro de 2019. Já para 2020, a Administração Municipal quer reduzir pela metade (120) o tempo de resposta para este serviço.

A ampliação da equipe é parte importante para concretizar o prazo estipulado pela Prefeitura. O trabalho passa a ser executado por 20 pessoas, incluindo podadores, ajudantes, trituradores e motoristas dos ­caminhões-cesto.

“O tempo de resposta aos munícipes pode parecer alto, mas não é”, afirma o prefeito Paulo Alexandre Barbosa. “Algumas espécies de árvores exigem um tempo de intervalo mínimo de um ano entre as podas, podendo chegar até três anos”. Ainda segundo ele, alguns períodos do ano são mais indicados para realização da poda.

Até o final de 2018 a Administração Municipal pretende chegar a 25 mil árvores podadas. A maior demanda é dos bairros Boqueirão e Embaré. Segundo levantamento da Secretaria de Meio Ambiente, Santos tem cerca de 36 mil árvores, na maioria saboneteiras, chapéus-de-sol e ingás, sendo que esta última espécie vem sendo substituída por ipês, mais adequados à condição urbana.

Remoção agora passa a ser autorizada pela Semam

Outra mudança anunciada pela prefeitura refere-se à remoção de árvores. Foi assinado ontem ordem de serviço determinando que todos os pedidos de remoção de árvores em áreas públicas e privadas tenham a autorização da Secretaria de Meio Ambiente.

“Sou a favor da análise criteriosa de só retirar o que é necessário, levando em conta os benefícios paisagísticos, da fauna e da flora daquela árvore”, diz o Secretário do Meio Ambiente, Marcos Libório. “Uma árvore precisa fazer sombra de dia, sem prejudicar a iluminação de noite”.

Segundo o titular da pasta, para cada árvore retirada é necessário o plantio de dez mudas.

Para o ouvidor municipal Rivaldo Santos, a população também precisa se conscientizar da importância das árvores. De acordo com ele, tem crescido o número de pedidos para remoção. Este ano, o bairro da Aparecida foi o que perdeu mais árvores, 33 no total.

A Administração Municipal já plantou 800 árvores em 2018, sendo 70% na Zona Noroeste e, até o final do ano, pretende plantar mais mil. Segundo Libório, os bairros da Zona Noroeste e do Campo Grande serão o foco do planejamento de plantio, pois apresentam a maior carência nesse sentido.

A reportagem do Diário do Litoral questionou o prefeito se o planejamento de plantio está levando em conta a verticalização da cidade. “Ao mesmo tempo em que somos a cidade mais verticalizada, nosso maior patrimônio é a qualidade de vida. Então as questões relacionadas ao plantio tem um rigor maior”, afirmou.

Sistema de monitoramento

Um sistema de informação lançado ontem permite que a população verifique o andamento dos trabalhos de zeladoria. Os serviços de arborização como poda, plantio ou remoção, podem ser acompanhados por essa plataforma, disponível em www.santos.sp.gov.br/monitorasantos.