ProJovem forma 123 alunos em Praia Grande

O curso incentiva protagonismo através de resgate de valores e cidadania.

Comentar
Compartilhar
21 DEZ 201219h17

Aconteceu na tarde da última quinta-feira (20) a entrega dos certificados de conclusão de curso a 123 alunos pertencentes ao Programa Nacional de Inclusão dos Jovens (ProJovem), resultado de parceria entre o Município e o Governo Federal. Terceira turma do projeto em Praia Grande, que já formou cerca de 400 alunos, o jovens com idades entre 15 a 17 anos celebraram a conquista com apresentações de dança, mostrando um pouco do que puderam aprender durante o último ano.

“Creio que protagonismo seja a palavra-chave do ProJovem”, pontuou a secretária de Promoção Social (Sepros) Nanci Solano. “Durante o ano do curso, os jovens são provocados a refletir e debater sobre uma série de temas pertencentes ao seu universo e ao de sua comunidade, estimulando o diálogo, o convívio pacífico com opiniões e realidades diferentes. O ganho é muito positivo”, conclui.

O programa, com duração de um ano, conta com atividades que estimulam a convivência familiar e comunitária, a fim de propiciar o desenvolvimento pessoal e social e capacitar o jovem para atuar como agente de transformação e desenvolvimento de sua comunidade. Em uma segunda etapa, os jovens são informados sobre o mercado de trabalho. Outra meta do ProJovem é contribuir para a diminuição dos índices de violência entre os jovens, do uso de drogas, da incidência de doenças sexualmente transmissíveis e de gravidez não planejada.

Para a coordenadora do programa em Praia Grande, Josefa Luna (Sepros), a mudança causada pelo programa é visível nos participantes. “Eles entram tímidos, muitas vezes com autoestima baixa, e saem integrados, comunicativos e bem mais seguros. O trabalho é focado no resgate da cidadania e de valores, com resultados gratificantes”.

Os alunos do ProJovem testemunham os benefícios. Cícero Ramos, 17 anos, morador da Vila Sônia, está cursando o ProJovem pela segunda vez, como ouvinte e elogia o trabalho. “O ensino aqui é diferente da escola. Os professores são nossos amigos, e conversamos de igual para igual sobre os temas. Eu era muito tímido, quase não falava e aqui encontrei muitos amigos. Fiz aulas de música, informática, e outras que me ajudaram muito a crescer”.

Jenifer Caroline dos Santos, 16, moradora do bairro Esmeralda, cursou o ProJovem pela primeira vez, e pretende voltar em 2013. “Aprendi principalmente a resolver minhas questões com diálogo. Eu era muito nervosa, e aqui aprendi a conversar ao invés de gritar. Também encontrei uma grande família aqui, com alunos e professores. O clima é muito gostoso, todos são acolhidos”.