Obra do Senai depende da Prefeitura

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, revela que o projeto precisa ser aprovado para só então iniciar as obras

Comentar
Compartilhar
16 MAI 201510h50

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Nacional de Aprendizagem de São Paulo (Senai-SP), Paulo Skaf, garantiu ontem de manhã, durante a inauguração de três novos ambientes de ensino do Senai Antonio Souza Noschese, na Rua Brás Cubas, 344, na Vila Mathias, em Santos, que depende da Prefeitura o início das obras de construção da nova unidade na Ponta da Praia.

“Já demolimos o antigo prédio e estamos aguardando a aprovação do projeto que se encontra na Prefeitura para iniciarmos a construção de uma nova e moderna escola. Não posso dar prazo. Pergunte ao prefeito (Paulo Alexandre Barbosa). A partir do momento que os projetos forem aprovados começamos a definir prazos para concluir a obra”, respondeu Skaf.

Skaf afirma que a economia deve retroceder 2% e a indústria 5%, devido à falta de crédito, da burocracia e crise política que se estabeleceu nos últimos meses. “Esse é um ano de vacas magras para o Brasil. Estamos procurando uma agenda positiva para enfrentarmos esse momento, com objetivo de diminuir os impactos com relação aos empregos, desenvolvimento e a saúde das empresas”, comenta.

Terceirização

Sobre a polêmica da terceirização que tramita no Congresso Nacional, Skaf afirma que 15 milhões de brasileiros já são terceirizados e que ela já existe há anos no País. “O que estamos querendo aprovar é a sua regulamentação. O terceirizado é regido pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) como qualquer trabalhador. Porém, ele não tem direito a refeitório, ambulatório, transporte e outros. Por isso, precisamos regulamentar. O tomador de serviço (quem contrata a empresa terceirizada) passará a ter responsabilidade solidária sobre as obrigações trabalhistas”, revelou.

Prefeitura

Sobre o Senai da Ponta da Praia, a Prefeitura afirma que o projeto está no expedienteprazo aguardando o comparecimento do profissional para atender ao despacho de 14 de abril último, que determina correções em plantas. Além disso, não atende à legislação municipal em sua totalidade. A Administração finaliza alertando que não tem condições de dar prazo, por depender da correção do projeto para nova análise da edificação.

Mais cursos e tecnologia à região

Depois da coletiva à imprensa, Skaf foi conferir os novos laboratórios de simulação de operações portuárias, de áreas classificadas por risco de explosão e a Oficina de Panificação. As novas áreas pedagógicas intensificam a estratégia do Senai de oferecer estruturas completas para a formação profissional e a prestação de serviços técnicos e tecnológicos, atendendo de forma específica à demanda por mão de obra qualificada do Município e seu entorno.

Os novos ambientes de ensino possuem equipamentos de alta tecnologia e são projetados para oferecer capacitação profissional para jovens que buscam qualificação para o primeiro emprego e adultos interessados em obter qualificação básica, especialização técnica e atualização tecnológica.

Obra ainda nem começou na Ponta da Praia (Foto: Matheus Tagé/DL)

Área portuária

O Laboratório de Simulação de Equipamentos Portuários permitirá a capacitação de operadores e auxiliares de movimentação de carga e guindastes portuários e offshore com a utilização de simuladores para a movimentação de contêineres e carga em geral.

O ambiente é composto por uma grande estação para a simulação de operação de guindaste, possibilitando operações bem próximas da realidade. Também é dotado com simuladores das atividades de sinalização das operações de movimentação de carga realizadas pelo auxiliar de operação.

O espaço é complementado por quatro estações portáteis e duas estações de instrução para a inserção de condições ambientais e operacionais do dia a dia. Durante a execução dos exercícios, os simuladores realizam a coleta de dados em tempo real, permitindo relatórios e avaliações precisas dos alunos.

Petróleo e gás

O Laboratório de áreas Classificadas por Risco de Explosão permite o treinamento dos profissionais de empresas do setor de petróleo e gás e outros segmentos afins, principalmente o petroquímico, em áreas classificadas, ou seja, atmosferas explosivas, de instalações offshore e onshore. O principal objetivo do laboratório é qualificar o treinando com competências para a instalação e inspeção de instalações elétricas e de instrumentação.

O laboratório é composto por oito baias de trabalho em forma de cabines e mais um painel alimentador. Em cada baia existem dois painéis de trabalho: um para atividade em instalações elétricas e outro para instalações de instrumentação. Os painéis foram projetados para que o aluno realize os procedimentos de instalação e inspeção dos equipamentos elétricos com métodos adequados de proteção. Os painéis elétricos utilizam sistemas de iluminação e acionamento de motores com invólucros à prova de explosão.

Os painéis de instrumentação são equipados com transmissores de pressão e temperatura, válvula de controle invólucros a prova de explosão e segurança intrínseca. No painel alimentador, o diferencial é um gabinete pressurizado onde está instalado o CLP responsável pelo controle e o comando do sistema das baias.

Oficina de Panificação

A Oficina de Panificação e Confeitaria tem como objetivo formar profissionais com competências para a fabricação de pães, doces, bolos, biscoitos, tortas, massas folhadas e salgados. Os alunos aprendem a fazer do balanceamento ao acabamento final do produto, além da elaboração de cálculos de encomenda, rendimento e conversão de unidades utilizando máquinas e equipamentos em conformidade com normas, técnicas de higiene, manipulação de alimentos e adequação de normas de segurança.

O laboratório é composto por amassadeira espiral e amassadeira rápida para batimento de massas de pães, modeladora de pães, geladeira de água de 100 litros, forno e lastro com três ciclos para assar pães doces e similares, cilindro de massas, laminadora para produção de massa folhada e semi-folhada, câmara de fermentação, carrinho de fermentação para impedir que os pães sofram a ação direta do ar, balança de precisão para pesagem das receitas e liquidificador industrial.

Obras já deveriam ter começado

Em setembro do ano passado, foi prometido que as obras na Ponta da Praia seriam iniciadas em abril último. O novo complexo educacional, que abrigará também o Centro de Tecnologias e Atendimento de Petróleo e Gás, está previsto para ser inaugurado no ano que vem. O investimento estimado é de R$ 110 milhões, sendo R$ 80 milhões para obras e R$ 30 milhões para aquisição de equipamentos.

De acordo com o projeto, a nova unidade compreende duas torres de nove andares e 28,5 mil metros quadrados, incluindo pé direito com 25 metros para treinamento de movimentação de contêineres. O novo complexo educacional terá capacidade para 2,4 mil alunos diariamente.

Além dos cursos tradicionais de mecânica, elétrica, informática e instrumentação, a nova unidade ampliará a oferta da grade nas áreas de porto e petróleo e gás, reservando um ambiente de ensino específico para operação com robôs subaquáticos.

Na unidade, haverá laboratórios para atender ao setor portuário e ao setor de petróleo e gás. No caso do setor portuário, a escola contará com um laboratório de inteligência, centro de operações multimodais, laboratório de automação e inovação portuária, simulador de operações com cavernas digitais 3D, laboratórios de práticas operacionais como o manuseio de empilhadeiras.

Para o setor de petróleo de gás haverá um laboratório de instrumentação e controle de processos e redes industriais, laboratório de simulação de operação de guindaste, um tanque com 250 mil litros de água para a operação dos robôs ROV (Remote Operated Vehicle).