Níveis dos reservatórios das hidrelétricas continuam subindo

Cenário favorável ainda depende da continuidade das chuvas, principalmente no Sudeste e Centro-Oeste

Comentar
Compartilhar
17 JAN 201316h51

Com o início do período úmido,  que chegou com relativo atraso no país, os níveis dos reservatórios das usinas hidrelétricas brasileiras voltaram a subir, sinalizando que a tendência é a estabilização da segurança energética. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) advertiu nesta quinta-feira (17), porém, que o cenário favorável ainda depende da continuidade das chuvas, principalmente no subsistema Sudeste/Centro-Oeste.

Os números obtidos até agora demonstram que, por enquanto, as  perspectivas são boas. De acordo com  relatório do ONS relativo à situação de ontem (16) dos reservatórios, os melhores níveis foram registrados  nas regiões Sul (49,05%) e  Norte (42,98%). No último dia 13, os níveis eram, respectivamente, 49% e 42,04%.

Na região Sudeste/Centro-Oeste, os reservatórios  atingiram  31,49% e, no Nordeste, 29,59%. No último boletim, divulgado no domingo (13), os níveis eram 29,8% para Sudeste/Centro-Oeste, e 29,3% para o Nordeste.

No subsistema Sudeste/Centro-Oeste, os níveis mais altos foram encontrados nos reservatórios de Mascarenhas de Moraes (77,96%), Ilha Solteira/Três Irmãos (57,28%), Capivara (34,08%), Jurumirim (33,92%) e Emborcação (31,37%).

Na Região Sul, detêm os níveis mais elevados os reservatórios de Segredo (89,06%), Passo Real (81,48%), Passo Fundo (64,88%) e Salto Santiago (43,87%). No Norte e Centro-Oeste, Serra da Mesa apresenta o nível mais alto, com 39,08%, enquanto Tucuruí tem 29,49%. No Subsistema Nordeste, os reservatórios com níveis mais altos são Itaparica, com 41,63%, e Três Marias, com 37,62%.