Mudança da Fatec para a Vila Mathias preocupa estudantes

Novo endereço não possui estacionamento; alunos temem assaltos

Comentar
Compartilhar
23 JUL 2019Por Thaís Moraes07h30
Por conta do término do contrato de aluguel, Fatec de Santos vai mudar para o mesmo endereço que a Etec Dona Escolástica RosaFoto: Nair Bueno/DL

Após a Etec Dona Escolástica Rosa, em Santos, mudar de endereço no início de março, chegou a vez da Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatec), de Santos, ir para o mesmo local.

Ao contrário da Etec, que precisou desocupar imóvel na Avenida Bartolomeu de Gusmão, no bairro Aparecida, após o Ministério Público do Trabalho (MPT) constatar que o prédio possui graves danos estruturais, a mudança da Fatec ocorre por causa de término de contrato no próximo dia 31, entre o Centro Paula Souza e a Santa Casa de Santos. Além do edifício tombado pelo Patrimônio Histórico, a instituição hospitalar também é proprietária de um dos prédios onde funcionava a Fatec.

Segundo o diretor da faculdade, Jorge Monteiro Junior, a mudança depois de 32 anos é muito bem vista por conta da boa infraestrutura do prédio, localizado na Avenida Senador Feijó, 350, na Vila Mathias.

"Sabemos que a faculdade mudaria desde o início do ano e fizemos reuniões com todos os representantes de sala. Os estudantes acompanharam tudo desde o começo com transparência", afirma.

A Fatec Santos, já em funcionamento no novo endereço desde o início do mês, ocupará o terceiro, o quarto e o quinto andar do edifício. São, em média, 25 ambientes pedagógicas por andar, entre salas de aula e laboratórios. No térreo, o imóvel tem refeitório com micro-ondas e máquinas de café e de refrigerante; espaço de convivência com sofá e televisão e jardim interno. O espaço tem também ar condicionado central, quatro elevadores, auditório, cantina e haverá controle de acesso por identificação digital. O primeiro e o segundo andares são ocupados por uma empresa de telemarketing.

Estrutura x Segurança

Apesar de os estudantes concordarem que o novo prédio possui uma infraestrutura mais moderna, a preocupação com a segurança nos arredores é unânime. A estudante de Gestão Portuária no período noturno, Carolina Guedes, de 27 anos, mora no Guarujá e levará mais tempo para chegar em casa, pois fazia a travessia na Ponta da Praia. "Vou ter que escolher entre a barca no Centro, ou a catraia, na área do Mercado. Para a mulher é muito mais perigoso, principalmente na hora da saída", teme.

Para Igor Monteiro, 28 anos, aluno de Análise e Desenvolvimento de Sistemas e estagiário em uma empresa de São Paulo, a mudança de endereço ajuda pela proximidade entre a entrada de Santos e a faculdade, mas diz que adotará novos hábitos: "A segurança ao redor preocupa, então vou sempre tentar andar em grupo, não usar celular na rua e evitar levar computador".

A turma do 3º ano do Ensino Técnico em Nutrição e Dietética Integrado ao Médio (ETIM) da Etec Escolástica Rosa, composta por alunos vindos de Santos, Guarujá, São Vicente, Praia Grande, Cubatão e Bertioga, lamentou a mudança ocorrida no começo do ano por causa do carinho que tinham pelo edifício tombado e pela localização. Reconhecem que o novo prédio tem uma estrutura mais adequada, mas existem problemas como a segurança no entorno e a necessidade de sair do prédio para receber refeição gratuita, direito garantido pelo Centro Paula Souza.

"Já furtaram a bicicleta de uma aluna, pois não temos mais onde deixar dentro da escola, e agora andamos com medo, principalmente quando estamos sozinhos. Não existe mais fornecimento de almoço no novo prédio, então temos que ir até à UME Professor Avelino da Paz Vieira, na Rua 7 de Setembro. As outras opções são levar a própria comida ou comprar almoço na cantina a R$ 15", conta a estudante Lídia Almeida, de 16 anos.

O furto de bicicletas e motocicletas agora é uma preocupação, pois parte considerável dos 1.700 estudantes da Fatec utilizam esses meios de transporte, assim como os alunos da Etec. O novo prédio não dispõe de estacionamento para bicicletas e motos, como havia no outro edifício. A garagem está disponível apenas para professores e funcionários.

O diretor da Fatec, Jorge Monteiro Junior, disse que estão buscando uma solução e que há também a possibilidade de os estudantes utilizarem o passe escolar municipal e intermunicipal, que dependendo da renda, pode ser totalmente gratuito. Na frente do edifício há um ponto de ônibus intermunicipal, com 14 linhas, e outro destinado a ônibus municipais, com 15 linhas.

Questionada se houve algum pedido para aumento do patrulhamento na região com a instalação das duas instituições ensino, a Polícia Militar afirmou que já tem ciência da nova demanda e está fazendo as readequações de policiamento, visando a segurança pessoal e patrimonial na região apontada.

A Guarda Civil Municipal informou que realiza ações em todo o município, principalmente em locais de maior concentração de pessoas em situação de risco, podendo ocorrer nas proximidades das unidades de ensino, visando coibir diversas irregularidades e manter a ordem pública.

Já a Companhia de Engenharia e Tráfego de Santos (CET) informou que irá estudar, já neste semestre, a viabilidade de instalação, considerando a demanda e a localização, de um paraciclo nas proximidades.

Colunas

Contraponto