MPE vai apurar suposto desmonte da linha férrea

A denúncia foi realizada pela Ferrofrente, que pede abertura de inquérito contra ALL

Comentar
Compartilhar
15 ABR 201410h19

A Frente Nacional pela Volta das Ferrovias - Ferrofrente entrou com uma petição no Ministério Público Estadual (MPE) solicitando abertura inquérito para a apuração da conduta da concessionária América Latina Logística (ALL) em desativar as malhas ferroviárias do Estado de São Paulo e pedindo providências para assegurar a transparência e a informação pública a respeito das medidas tomadas pela concessionária. O pedido, já acatado pelo MPE e tornou-se o processo 2080/2014, a cargo do promotor de Justiça de Santos, Sandro Ricciotti.

A entidade, criada para fomentar o uso das ferroviais como alternativa de desenvolvimento sustentável, defende a paralisação das negociações até que se garanta que não haverá prejuízo para o transporte de cargas em geral, como milho e soja.

A Ferrofrente defende o equilíbrio, o bom senso. “Não tem sentido o interesse empresarial prevalecer sobre os demais interesses do agronegócio e de outras cargas. Defendemos a mudança na matiz de transporte. Não é possível, por exemplo, que 98% dos contêineres que vão para o Porto de Santos sejam transportados por caminhões”, afirma o presidente da entidade, José Manoel Ferreira Gonçalves.

Ferrofrente denunciou desativação de malha ferroviária pela ALL (Foto: Matheus Tagé/DL)

ALL

A ALL informa que já investiu mais de R$ 1,8 bilhão na recuperação da malha, além da compra de vagões e locomotivas e implementação de novas tecnologias para o transporte ferroviário. Esse valor representa um aumento de mais de 230% se comparado à gestão anterior.

Os constantes investimentos em tecnologia e em melhoria da linha férrea permitiram que a companhia reduzisse em até 80% o índice de acidentes desde 2006.
No Estado de São Paulo, desde 2006, a companhia já investiu cerca de R$ 700 milhões e substituiu 1.750.000 de dormentes e 65 mil toneladas de trilhos, o equivalente a mil quilômetros de trilhos. Fica clara, portanto, a conduta da ALL em promover o desenvolvimento e a ampliação do modal ferroviário estadual.