Moradores, Prefeitura e CDHU se reúnem para debater melhorias no Bolsão 7

EMTU, Sabesp e Ministério Público participam de reunião no Paço hoje. Moradores reivindicam desde pavimentação das ruas até construção de uma creche no bairro

Comentar
Compartilhar
14 MAI 201512h15

Prefeitura de Cubatão, CDHU, EMTU, Sabesp, Ministério Público e moradores do núcleo Bolsão 7, em Cubatão, se reúnem hoje, no gabinete da prefeita Marcia Rosa, às 14 horas, para discutir e buscar soluções para os problemas do bairros. “A população não pode mais enfrentar tantos transtornos”, disse a chefe do Executivo.

Na última semana, a prefeita, acompanhada de secretários e técnicos municipais, vistoriou o núcleo Bolsão 7, no Jardim Nova República. O local é de responsabilidade da Companhia de Desenvolvimento Habitacional Urbano (CDHU), autarquia do Governo do Estado. Durante a passagem da comitiva municipal, moradores da região apontaram diversos problemas, como vias esburacadas, encanamento de água e esgoto danificados e problemas de conservação.

Representantes da CDHU e da Sabesp foram convidados a participar da visita, mas apenas a empresa de saneamento esteve presente, por meio de grupo comandado pelo gerente em Cubatão, o engenheiro Luiz Celso de Arruda. Em uma praça na entrada do núcleo, a chefe do Executivo conversou com os munícipes e explicou que o contrato que urbanizou o local prevê que o Município só pode receber a área do Estado quando todos os serviços de infraestrutura estiverem concluídos. “Pelo que vi hoje, ainda há muito o que fazer, especialmente quanto aos encanamentos de esgoto e à conservação das ruas”, afirmou.

Ao representante da Sabesp, os moradores não tiveram muito trabalho para mostrar o problema que têm enfrentado: um forte odor podia ser sentido. Arruda explicou que a área está abaixo do nível do mar, portanto, todo o sistema de drenagem do esgoto depende de bombas. “Temos enfrentado muitos furtos desses equipamentos; mesmo com nosso trabalho constante de recuperação, acabam sendo insuficiente”, disse o gerente.

Moradores do núcleo têm 26 reivindicações (Foto: Luiz Torres/DL)

Reclamações

Também na última semana, um grupo de moradores do Bolsão 7, realizou uma manifestação pedindo melhorias na região. O protesto contou com o apoio de sete entidades e reuniu cerca de 100 pessoas. Eles caminharam pela região e seguiram até a interligação da Rodovia dos Imigrantes. Lá, os manifestantes realizaram um bloqueio da via, com galhos e pedaços de móveis, impedindo a passagem dos veículos. A ação durou cerca de 40 minutos.

A lista de reivindicações da população é antiga. Há pedidos que aguardam por resposta desde 2012. No total, são 26 demandas exigidas pelos munícipes — desde pavimentação de vias como a construção de uma creche. “A gente tem uma unidade de tratamento de esgoto que foi implantada no início da construção do conjunto habitacional, em 2006. Ela está abandonada e o esgoto fica a céu aberto porque não funciona. A gente gostaria que eles retirassem essa unidade que não está servindo para nada e colocasse ali uma creche, que nos foi prometida”, pede o presidente da Sociedade de Melhoramentos do Conjunto Habitacional João Paulo II, Jarbas Vieira da Silva.

A manifestação contou com a presença dos vereadores Adeildo Heliodoro dos Santos, o Dinho (SDD), Ademário da Silva Oliveira (PSDB) e Ivan Hildebrando (PDT). O último foi presidente da Comissão Especial de Vereadores (CEV) da Pós-ocupação, ano passado, que tratou dos problemas dos conjuntos habitacionais Bolsões 7 e 9, Residencial Rubens Lara e Imigrantes 1 e 2.

Mutirão

Um mutirão de serviços será realizado no núcleo no próximo dia 16, com a presença do PAT Itinerante, Sabesp (para que os munícipes possam solicitar revisão de contas e inscrição para tarifa social), CPFL e Secretaria Municipal de Saúde, dentre outros.