Moradores da COTA 400 querem mais segurança na pista

Ecovias investe 5,5, milhões na prevenção de acidentes em pontos mais críticos da Serra, no SAI

Comentar
Compartilhar
19 FEV 201322h18

A colisão de um caminhão com um ônibus que resultou em um incêndio que matou cinco pessoas no KM 46, da pista sul da Via Anchieta, na última segunda-feira, abalou mais uma vez os moradores da Cota 400, na Serra do Mar. Eles afirmam que acidentes naquelas imediações são freqüentes e atribuem como causa a imprudência dos motoristas.

Cerca de 200 famílias residem na Cota 400, na beira da pista. Para pegar o ônibus com destino à Cidade de Cubatão é preciso aguardar na rodovia, próximo ao local onde ocorreu o acidente de segunda-feira. Não há um ponto de ônibus ou um abrigo para os pedestres que atravessam a pista, arriscando a vida para tomar a condução.

Porém, durante nossa reportagem, flagramos crianças brincando no meio da pista, próximo à curva sinuosa, no km 46. Os menores pareciam estar alheios ao perigo que corriam no local. “A gente pega ônibus ali naquela curva. É muito perigoso porque os veículos passam em alta velocidade. O ideal seria que a Ecovias construísse uma passarela ligando o bairro ao outro lado da pista para a gente poder pegar o ônibus, lá em cima, na pista norte, onde é mais seguro”, afirma o auxiliar-geral José Ramos da Silva, que mora na Cota 400 há oito anos.

“A passarela seria a única maneira de se evitar o risco para nós”, enfatiza José. A dona de casa, Michele Lima Santos, moradora da Cota 400 há dez anos, diz que foi a primeira vez que viu um acidente envolvendo um ônibus. “Eu me preocupo com a segurança, principalmente, porque tenho um bebê. Já vi muitos caminhões virarem aqui, baterem”.

Para a estudante, Juliana Aparecida Silva, falta um ponto de ônibus para os moradores da Cota 400 aguardarem os coletivos com mais segurança. “A gente tem que esperar o ônibus na pista e é muito arriscado. Também poderia ter guardas rodoviários aqui perto da Cota. A viatura passa, mas não pára aqui”.

De acordo com a assessoria de imprensa da Ecovias, não há um projeto para a instalação de uma passarela no km 46 para atender os moradores da Cota 400. Contudo, a concessionária do Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI) lançou no último dia 14 de junho, um projeto de segurança na Via Anchieta reforçando a sinalização e a fiscalização de velocidade na rodovia. Serão investidos 5,5 milhões no projeto.