SEDUC

Monitoramento de escolas de Praia Grande é questionado

Vereador Cadu (PTB) deve rever projeto de instalação de câmeras de monitoramento de segurança em escolas

Comentar
Compartilhar
11 OUT 2019Por Carlos Ratton07h30
Professor Odair Bento acredita que existam outras prioridades em relação à Educação da CidadeFoto: Divulgação

Após um forte questionamento digital e até pressão do Sindicato dos Funcionários Públicos de Praia Grande, que sugere uma audiência pública, o vereador Carlos Eduardo Barbosa, o Cadu (PTB), deve adiar a segunda votação do projeto de instalação de câmeras de monitoramento de segurança nas creches e escolas públicas da Cidade. A proposta tinha sido aprovada em primeira votação na Câmara.

A discussão é que as escolas poderiam ter equipamentos na parte externas e internas das salas de aula, com sistema de gravação que permita armazenar imagens por, no mínimo, dois meses.

O objetivo, segundo o projeto, seria a segurança pois, segundo Cadu, a discriminação, ameaças e os xingamentos podem evoluir para agressões graves e contribuírem para um ambiente escolar hostil.

Justificativa

Em sua justificativa, quando não havia resistência por parte dos professores, Cadu chegou a citar que a presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia, Quézia Bombonato, concorda que é necessário impor limites aos jovens e que a medida irá inibir práticas como o bullying e até agressões contra os funcionários.

"A instalação das câmeras em sala de aula em nada viola a intimidade dos alunos ou dos professores. Segundo o entendimento do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, o monitoramento por câmeras não implica em exibição desmedida e gradativa das pessoas. Disso decorre que nesses lugares não se tem a prática de atos privados ou particulares, como se faz em uma residência", justificou o parlamentar antes de optar por discutir melhor sua proposta com professores e a sociedade local.

Professor discorda

Para o combativo professor Odair Bento Filho, a ideia é monitorar professores vem do grupo de extrema direita do Município, com uma mentalidade totalmente atrasada em termos educacionais e que propaga a Escola Sem Partido. "Ora, se sempre houve doutrinação de esquerda nas escolas, como eles alegam, como se explica o grande contingente de bolsonaristas, militaristas e outros", questiona.

Para o educador, o que vem assustando o Brasil e o mundo não é a esquerda, mas a extrema direita. "Esse grupo que, inclusive, é a favor de militarização das escolas, está equivocado no que diz respeito à Educação. Sustentam-se em fortes ataques aos professores, sobretudo Paulo Freire, patrono de Educação Brasileira e que é exemplo no mundo", acredita Odair Filho.

Apoio

Como professor da rede pública, Odair garante que não são câmeras que irão melhorar a educação de Praia Grande, mas aumentar o número de funcionários, dar mais apoio aos professores, colocar psicólogos, assistentes sociais, que em conjunto garantirão a segurança.

"Além disso, quanto custa colocar câmeras nas salas de aula? Quantos crimes ainda ocorrem na cidade, que está repleta de câmeras que não funcionaram. Precisamos é chamar pais, alunos, professores e população para debater melhor esse projeto", opina, acreditando ainda que a segurança irá melhorar quando, entre outras medidas, reduzir a quantidade de alunos por sala de aula e aumentar o número de professores substitutos.