GCM intensifica fiscalização contra uso de cerol em Praia Grande

Ações são realizadas principalmente na praia e Via Expressa Sul.

Comentar
Compartilhar
24 JAN 201321h35

O que deveria ser uma brincadeira saudável e divertida pode virar uma perigosa arma. Pensando nisso, e fazendo cumprir o que determina uma lei municipal, a Guarda Civil Municipal (GCM) de Praia Grande intensificou a fiscalização do uso e comercialização de linhas de pipa com cerol. Somente na faixa de areia da praia, diariamente, são apreendidos cerca de 20 carretéis com linha contendo a mistura cortante, que pode ser fatal e acabar com a brincadeira, e a vida, de muita gente.

A fiscalização é feita principalmente pelas equipes de quadriciclo, que fazem o patrulhamento pelas areias da praia, e de moto, que atua mais na Via Expressa Sul, por onde passam muitos motociclistas.

De acordo com o inspetor da Guarda Civil Municipal Almir de Góes, o trabalho é focado principalmente na prevenção, mas havendo necessidade as equipes apreendem o material. Em alguns casos, os infratores são conduzidos à delegacia. “Buscamos sempre conversar com as crianças e até com os pais, orientando sobre os riscos do cerol. Quando a linha está com a mistura, apreendemos o material imediatamente”.

Para se ter uma ideia, somente na tarde da última quarta-feira a equipe dos GCMs J. Fernando e Matheus apreendeu sete carretéis com linhas com cortante. “Agora, estão sendo comercializadas também as linhas chilenas, que geralmente são coloridas e muito mais resistentes. O poder de corte é muito maior e o perigo também”, explicou J. Fernando.

A Guarda Civil Municipal intensificou a fiscalização do uso e comercialização de linhas de pipa com cerol (Foto: Divulgação)

No Município, a lei que proíbe a utilização e comercialização de linhas com cerol é a 188/98, que prevê não só a apreensão do material como também a aplicação de multa. Já o estabelecimento que for flagrado comercializando o produto está sujeito à cassação da licença de funcionamento, com lavratura de termo de fechamento administrativo, sem prejuízo das demais penalidades previstas em lei.

A corporação conta ainda com a ajuda da população, que pode fazer denúncias através do telefone 199.