GCM de São Vicente dispersa mais de mil pessoas em aglomerações no feriadão

As ações ocorreram no bolsão do Itararé, onde estavam aproximadamente 300 pessoas, e em outros bairros

Comentar
Compartilhar
07 JUN 2021Por Da Reportagem20h00
Mesmo assim, muita gente ignorou o momento de pandemia e decidiu desrespeitar as medidas sanitáriasMesmo assim, muita gente ignorou o momento de pandemia e decidiu desrespeitar as medidas sanitáriasFoto: Divulgação/PMSV

O feriado prolongado de Corpus Christi foi de muito trabalho por parte da força-tarefa em São Vicente, que envolveu agentes da Guarda Civil Municipal (GCM), da Vigilância Sanitária, da Secretaria de Desenvolvimento do Comércio, Indústria e Assuntos Portuários (Secinp) e da Secretaria de Trânsito e Transportes (Setrans).

Logo na quarta-feira (2/6) à tarde, a Prefeitura interditou os principais pontos de aglomeração no Município, a fim de inibir munícipes e turistas de permanecerem nestes locais. Foram isolados com grades os píeres do Gonzaguinha e Milionários, além do mirante da Ilha Porchat. Mesmo assim, muita gente ignorou o momento de pandemia e decidiu desrespeitar as medidas sanitárias, promovendo situações pontuais de aglomeração.

Com isso, a GCM precisou agir com rigor para dispersar multidões. As ações ocorreram no bolsão do Itararé, onde estavam aproximadamente 300 pessoas; no Parque Prainha, também com aproximadamente 300 pessoas, em um dos píeres do Gonzaguinha, com cerca de 250 pessoas; e durante um baile funk na Náutica 3, que reunia cerca de 300 pessoas. Em alguns casos foi preciso o uso de gás de pimenta e bombas de efeito moral para dispersar os frequentadores, tamanha era a recusa em cumprir as normas vigentes. Aparelhos de som também foram apreendidos.

Muitos moradores entraram em contato pelo telefone 153, solicitando a intervenção da GCM que precisou se desdobrar para atender os diversos chamados, tanto na Área Insular quanto na Área Continental.

O morador do Parque Prainha, Ricardo Monteiro, 54 anos, foi um deles e elogiou a atuação da GCM. "O trabalho da GCM de São Vicente tem se mostrado muito eficiente e sério no que diz respeito à manutenção da ordem e cumprimento das leis”, explica. Segundo ele, por volta da meia-noite da última sexta-feira, 4/6, centenas de jovens começaram a ocupar as areias da Prainha com som alto. Os moradores, então, passaram a acionar a Guarda, que deslocou viaturas ao local. “Parabéns ao comando e aos agentes pela forma como têm atendido as nossas demandas”, completou o morador.

Nas praias, a fiscalização foi constante e nos quatro dias do feriado prolongado a GCM abordou 750 pessoas que estavam na faixa de areia ou no calçadão, orientando sobre o uso de máscara, principalmente.

Também nas praias, a GCM orientou 24 ambulantes.

Com apoio da Guarda Civil Municipal, a Vigilância Sanitária também atuou bastante. Foram 55 fiscalizações em estabelecimentos comerciais através de denúncias e 16 deles foram autuados por aglomerações ou por funcionarem fora do horário permitido.

Tão importante quanto o trabalho intenso de fiscalização por parte do poder público, é a conscientização da população. Infelizmente, mais uma vez muita gente agiu como se não houvesse a pandemia da Covid-19, fazendo com que todo o esforço empregado em São Vicente parecesse ser em vão. Mas graças ao empenho da GCM, Vigilância Sanitária e Secinp e Setrans, a situação não foi pior.

"Estamos atendendo as denúncias dentro do possível, mas é preciso a conscientização de todos", afirma o subcomandante da GCM, Rubens Góes.

Para denunciar aglomerações, basta ligar para 153 ou pelo WhatsApp (13) 99641-0112.