GCM atua na fiscalização de pipas com cerol em Praia Grande

A fiscalização é feita principalmente pelas equipes de quadriciclo, que realizam o patrulhamento pelas areias da praia, e de moto, que atua mais nas margens da Via Expressa Sul

Comentar
Compartilhar
23 JAN 201419h23

Aparentemente uma brincadeira inofensiva, empinar pipa ou papagaio pode se tornar um perigo se a linha estiver com a mistura de pó de vidro e cola, o chamado cerol. Em Praia Grande, somente em janeiro, a Guarda Civil Municipal (GCM) apreendeu 12 pipas contendo a mistura fatal.

Para fazer cumprir o que determina uma lei municipal, a Guarda Civil Municipal (GCM) de Praia Grande intensifica a fiscalização do uso e comercialização de linhas de pipa com cerol, principalmente durante os meses de férias escolares.

A fiscalização é feita principalmente pelas equipes de quadriciclo, que realizam o patrulhamento pelas areias da praia, e de moto, que atua mais nas margens da Via Expressa Sul, por onde passam muitos motociclistas.

De acordo com o comandante da Guarda Civil Municipal, Marco Alves dos Santos, o trabalho é focado principalmente na prevenção, mas havendo necessidade as equipes apreendem o material. “As equipes buscam sempre conversar com as crianças ou até mesmo com os pais, orientando sobre os riscos do cerol. Os casos que vimos recentemente na mídia mostram como isso é perigoso e pode acabar com a alegria de muita gente”.

A GCM atua na fiscalização de pipas com cerol em Praia Grande (Foto: Divulgação)

Conforme levantamento realizado pela GCM, no mês de dezembro foram apreendidas 15 pipas cujas linhas estavam com cerol. Já no mês de janeiro, somente entre os dias 02 e 17, foram 12 apreensões.

No Município, a lei que proíbe a utilização e comercialização de linhas com cerol é a 188/98, que prevê não só a apreensão do material como também a aplicação de multa de 50 UFIR. Já o estabelecimento que for flagrado comercializando o produto está sujeito à cassação da licença de funcionamento, com lavratura de termo de fechamento administrativo, sem prejuízo das demais penalidades previstas em lei.

A corporação conta ainda com a ajuda da população, que pode fazer denúncias através do telefone 199.