Funcionários do Banco do Brasil farão greve nesta sexta em toda a Baixada Santista

A paralisação foi aprovada em assembleia virtual, realziada na última segunda-feira (25), pela diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região

Comentar
Compartilhar
27 JAN 2021Por Da Reportagem11h50
O sindicato pede que quem estiver em teletrabalho desligue o celular, o notebook ou o microcomputadorFoto: Divulgação

Funcionários do Banco do Brasil (BB) vão realizar greve de 24 horas nesta sexta-feira (29), nas agências da Baixada Santista contra a restruturação implantada pelo governo federal e a diretoria do banco. A paralisação foi aprovada em assembleia virtual, realziada na última segunda-feira (25), pela diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região.

“Todos devem estar unidos na greve organizada pelo sindicato, para combater as demissões voluntárias, o descomissionamento de caixas, a redução de salários, a realocação para qualquer lugar do país, o que pode destruir famílias inclusive, além da mudança radical da vida destes bancários e bancárias nesta situação”, diz Ricardo Saraiva Big, secretário geral do Sindicato e funcionário do BB.

O sindicato pede que quem estiver em teletrabalho desligue o celular, o notebook ou o microcomputador. Já quem trabalha presencialmente, a entidade pede que nem saia de casa nesta sexta-feira (29).

Segundo o Sindicato dos Bancários de Santos e Região, entre 2016 e 2019, o lucro líquido ajustado do BB apresentou crescimento de 122%, passando de R$ 8,033 bilhões em 2016 para R$ 17,848 bilhões em 2019. No mesmo período, o banco fechou 19% das agências e reduziu o quadro em 16%. A entidade diz ainda que o plano é extinguir a função de Caixa Executivo, revertendo os trabalhadores nessa função a escriturários – que é a carreira de entrada no Banco do Brasil.

"Além da perda da gratificação, o BB buscará implementar o caixa por demanda, onde o funcionário é chamado a qualquer hora para trocar de função e ir para o caixa, causando extrema insegurança. O descomissionamento dos funcionários alocados como Caixa Executivo será feito ainda em fevereiro. Além disso, os escriturários terão modificados a nomenclatura de seu cargo: a partir de hoje, serão chamados de Agentes Comerciais", afirma em nota.

Ainda de acordo com o sindicato, o governo federal diz que vai fechar 361 unidades, sendo 112 agências, 7 escritórios e 242 Postos de Atendimento (PA), além da conversão de 243 agências em postos de atendimento e a transformação de 145 unidades de negócios em Lojas BB, estes dois últimos, sem gerentes e guichês de caixa. Tudo no primeiro semestre de 2021. "O banco pretende desempregar 5 mil funcionários em dois programas de desligamento". 

“Nenhum outro banco facilita empréstimos com juros mais baixos aos micros, pequenos e médios agricultores; empresas e comércio em geral, instalados em pequenas cidades. Financia esporte, cultura e outras áreas sociais. A importância para a sociedade brasileira, fomento de empregos e riquezas à nação é extraordinária e essencial ao País! Os bancos privados só objetivam o lucro, sem se importar com os brasileiros!” Ressalta Eneida Koury, presidente do Sindicato e funcionária do BB.
 
Em Santos

Em Santos, duas agências serão desativadas nos planos do banco. A Agência Santista, que fica Rua Dom Pedro II, 49, Centro e o Posto de Atendimento que fica na esquina do Canal 5 com Epitácio Pessoa e a Avenida Almirante Cochrane, 47, Embaré.

“A população será prejudicada – passará a contar com uma rede de agências menor, com menos funcionários. Algumas cidades ficarão sem agências. O atendimento vai ser ainda mais precarizado”, diz André Elias, dirigente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e bancário do BB.