Fórum discute a ligação seca entre Santos e Guarujá

Evento reuniu o secretário nacional dos Portos e Transportes Aquaviários substituto, Fábio Lavor Teixeira, além de autoridades estaduais e municipais dos poderes Executivo e Legislativo

Comentar
Compartilhar
13 AGO 2019Por Da Reportagem18h30
O prefeito Paulo Alexandre Barbosa durante o fórumFoto: Divulgação/PMS

Com o objetivo de debater uma ligação seca entre Santos e Guarujá, foi realizado nesta segunda-feira (13) à noite o 1º Fórum de Debates de Porto & Negócios, da Santa Cecília TV, no Teatro Coliseu, em Santos.

O evento reuniu o secretário nacional dos Portos e Transportes Aquaviários substituto, Fábio Lavor Teixeira, além de autoridades estaduais e municipais dos poderes Executivo e Legislativo.

A proposta de acesso por meio de uma ponte é considerada, atualmente, a principal alternativa para permitir a expansão do cais santista.  A estrutura terá cerca de 7,5 quilômetros de extensão, trecho entre a entrada de Santos e o acesso à Ilha Barnabé; de 85 metros de altura e 325 metros de largura entre os pilares em seu vão principal. Caso aprovada, será construída pela Ecovias, ao custo de R$ 2,9 bilhões, em troca de um prazo maior de concessão do Sistema Anchieta-Imigrantes. Com Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (Eia-Rima) já prontos, a expectativa é de que a obra tenha aval expedido a partir de fevereiro de 2020.

A outra alternativa seria a construção de um túnel, que já tem projeto executivo licenciado ambientalmente, mas sem fonte de financiamento definida.

Em seu discurso, o prefeito Paulo Alexandre Barbosa defendeu como ideal que todas as discussões sobre o tema se esgotem, a fim de que a ligação seca vire realidade. "Já são quase 100 anos em que foram apresentados planos, projetos, ideias etc. A única coisa em comum é que todos ficaram só no papel".

Para o chefe do Executivo santista, os projetos de ponte e túnel são complementares, um não deve excluir o outro. E também fez questão de lembrar de outras obras que há anos eram esperadas e estão saindo do papel como a Nova Entrada de Santos e o VLT. "Defendemos que o projeto da ponte precisa ser melhorado, mas precisa ser executado". 

Colunas

Contraponto