Ex-diretor da CPTM e consultor serão ouvidos

O Ministério Público Federal acredita que os depoimentos de Zaniboni, que é ex-diretor da CPTM, e de Teixeira, apresentado como consultor, poderão auxiliar nas investigações do cartel

Comentar
Compartilhar
08 NOV 201311h54

 A Justiça suíça pediu e o Ministério Público Federal irá interrogar Arthur Teixeira e João Roberto Zaniboni. O primeiro é citado como lobista das multinacionais suspeitas de fazer acertos prévios para ganhar licitações das estatais metroferroviárias do governo paulista. O segundo é, segundo os investigadores do país europeu, destinatário de propina paga pela Alstom a fim de obter contratos da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Pedido semelhante já havia sido feito pelos suíços em 2011, mas acabou engavetado "por engano" pelo procurador Rodrigo de Grandis, do Ministério Público Federal em São Paulo.

Por falta de colaboração, os procuradores do país europeu chegaram a estudar a possibilidade de enviar emissários para o Brasil a fim de realizar as investigações. Mas o acordo de cooperação foi restabelecido no início deste mês. A Procuradoria-Geral da República no Brasil se comprometeu a ajudar e as primeiras trocas de documento já ocorreram nesta semana.

O Ministério Público Federal acredita que os depoimentos de Zaniboni, que é ex-diretor da CPTM, e de Teixeira, apresentado como consultor, poderão auxiliar nas investigações do cartel que estão em curso no País.

Arthur Teixeira é citado como lobista das multinacionais suspeitas de fazer acertos prévios para ganhar licitações das estatais metroferroviárias do governo paulista (Foto: Divulgação)

Desde 2011 a Suíça investiga os pagamentos feitos pela Alstom em mais de dez países, sempre na busca de contratos públicos. Em três países, os suíços conseguiram provar a corrupção e a Alstom teve de pagar multas milionárias.

No caso do Brasil, os procuradores suíços já em 2011 suspeitavam de depósitos em nome desses lobistas brasileiros.

Os investigadores suíços apontam que, em 21 de março de 2001, uma transferência de US$ 255,8 mil foi identificada em nome de Teixeira em sua conta Rockhouse 524373, no Credit Suisse de Zurique, envolvendo o amplo esquema de pagamentos de propinas da Alstom. Outras transferências com volumes parecido de dinheiro e ligados à Alstom também foram identificados pelos suíços envolvendo Teixeira.

A transferência seria uma indicação da rota do pagamento da propina. Parte do dinheiro, apontam os investigadores, foi parar na conta do ex-diretor da CPTM.

Os suíços obtiveram dezenas de documentos da multinacional depois de uma série de intervenções nos escritórios da empresa. A Alstom, na época, garantiu que cooperava com a investigação e que a empresa havia passado por uma ampla mudança de comportamento.

Junto com o pedido dos depoimentos, os suíços informaram que o caso do empresário Amaro Pinto Ramos, que era apontado como lobista do esquema, foi arquivado por falta de provas.