Danos às praias e à Serra do Mar são incógnita

A secretária estadual de Meio Ambiente, Patrícia Iglecia, esteve ontem na Alemoa colhendo as primeiras informações

Comentar
Compartilhar
05 ABR 201500h23

Não há qualquer garantia de que as praias da região não serão afetadas pela contaminação de material que vaza dos tanques. E eventuais danos na fauna e na flora da Serra do Mar serão avaliados em monitoramentos a serem feitos pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

A secretária estadual de Meio Ambiente, Patrícia Iglecia, esteve ontem na Alemoa colhendo as primeiras informações e afirmou que todos os esforços, em termos de barreira de contenção, estavam sendo feitos, mas afirmou que “não é possível concluir que não atingirá a praia. Toda cautela é necessária”.

O perigo da fumaça que vem da queima dos terminais foi avaliado pela secretária estadual. “Qualquer fumaça é tóxica. Estamos monitorando isso. Por enquanto, nosso medidor não encontrou VOC (combustíveis voláteis) que cause contaminação problemática para a população”.

Secretária estadual de Meio Ambiente disse que órgão não encontrou contaminação para a população (Foto: Luiz Torres/DL)

Cuidado com os peixes 

O resultado dos exames nos peixes encontrados mortos no estuário deve sair entre hoje e amanhã. “A população não deve consumir esses peixes porque ainda não é possível saber se houve essa relação (contaminação e morte). Pedimos veementemente que não consumam esses peixes”.

Iglecias afirmou não ter condições, ontem, de avaliar algum procedimento inadequado na Ultracargo que possa ter causado o acidente. “É cedo para qualquer afirmação de responsabilidade. Em casos ambientais, a responsabilidade é objetiva. Tudo vai ser avaliado”.

Segundo a secretária estadual, além da multa estadual (avaliada em mais de R$ 202 mil, 10 mil Ufesps), a Ultracargo pode ficar sujeita a uma multa de até R$ 50 milhões, caso seja aplicado um decreto federal para danos ambientais mais graves.

Peixes mortos aumentam nas redondezas do local (Foto: Luana Fernandes/DL)