Cubatão precisa de ajuda

Confira os postos de arrecadação para os 239 desabrigados da Cidade

Comentar
Compartilhar
23 FEV 201315h08

Cubatão foi atingida por fortes chuvas que atingiram que deixaram 239 pessoas desabrigadas na cidade. Sete deslizamentos de terra foram registrados e muitas casas foram destruídas por conta do temporal. A prefeitura da Cidade se mobilizou e pede ajuda da população para arrecadar doações para os desabrigados. Quem puder, ajude com colchões, roupas, água potável, alimentos não perecíveis e produtos de higiene pessoal, mas os itens prioritários, no momento, saão lençóis, cobertores e toalhas de banho.

Os desabrigadas seguem instaladas no Centro Esportivo Castelo Branco, conhecido como 'Castelão' (Rua Embaixador Pedro de Toledo, 365). O local é o principal posto de arrecadação. Além dos cobertores, alimentos, água e roupas, a prefeitura pede a doação de brinquedos para as crianças que perderam suas casas.

O posto Indaiá (Av. Pinheiro Machado 605 - Santos) também é um posto de arrecadação, é só procurar pelo Ademar. A TV Tribuna (Avenida Antônio Emmerich, 1373, Jardim Guassú, São Vicente), A Universidade Santa Cecília (Rua Oswaldo Cruz, 277, Boqueirão, Santos) são outros postos de arrecadação.

Sobe para 239 o número de pessoas abrigadas no Centro Esportivo Castelão, em Cubatão (Foto: Reprodução)

Cubatão está em estado de emergência

 Prefeita Marcia Rosa decreta estado de emergência na cidade de Cubatão por conta das fortes chuvas desta sexta-feira (22) que invadiram a madrugada de sábado. A medida serve para proteger a vida dos cidadãos, bem como remoção dos moradores residentes nos bairros atingidos e em áreas de risco, para um local seguro. O decreto permite, ainda, compras emergenciais com menos burocracia e busca de recursos junto aos governos estadual e federal.

O balanço preliminar da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) registrou 13 pontos de deslizamentos de terra: 6 ocorrências aconteceram na Cota 95, sendo uma delas a queda de um muro de arrimo; outros 5 escorregamentos de terra foram na Cota 200; houve um deslizamento no Caminho dos Pilões e outro no Morro do Índio.

Os alagamentos atingiram praticamente toda a área urbana, porém, a situação mais crítica foi no bairro da Água Fria, onde a inundação atingiu quase três metros. Vários moradores precisaram ser retirados do local com a ajuda do helicóptero da Polícia Militar e por homens do Corpo de Bombeiros. A equipe da Defesa Civil Municipal está tentando chegar até o bairro mas há dificuldades por conta do acesso pela estrada e da lama acumulada no caminho.

 A inundação também alagou ruas e invadiu residências na Vila São José, Ilha Caraguatá e Vale Verde. Muitos trabalhadores ficaram impedidos de deixar o serviço, como funcionários do Fórum Municipal e do Ministério Público que acabaram passando a noite no local.

Na Fabril, três alunos, menores de idade, precisaram ficar abrigados na Escola Estadual Zenon Cleantes de Moura pois os pais não conseguiram buscá-las. Sob a tutela do município, as crianças foram levadas agora pela manhã para o abrigo montado no Castelão, onde esperam a presença dos responsáveis e estão sob os cuidados do Conselho Tutelar.