Cubatão celebra 482 anos de fundação do povoado com performance teatral

A equipe do Teatro do Kaos, com figurinos de época, encenou o momento em que Martim Afonso de Souza doou a Rui Pinto a área que viria a se transformar no município

Comentar
Compartilhar
10 FEV 201518h17

Cubatão celebrou os 482 anos da Fundação do Povoado com ato solene na Praça Coronel Joaquim Montenegro (Largo do Sapo), na tarde desta terça-feira (10). Além do pronunciamento de autoridades do Município, a equipe do Teatro do Kaos, com figurinos de época, encenou o momento em que Martim Afonso de Souza doou a Rui Pinto a área que viria a se transformar no município, séculos depois.

A carta que registra a doação, datada de 10 de fevereiro de 1533, menciona pela primeira vez o nome Cubatão. "Esta é uma data significativa já que reafirma a nossa cidadania", afirmou o secretário de Cultura, Welington Ribeiro Borges. Mas ele fez questão de desmistificar um fato histórico: apesar de receber a doação das terras, Rui Pinto nunca residiu na cidade. "Aqui, no Largo do Sapo, ficava o porto geral, que fazia a ligação do Planalto com o porto de São Vicente e, posteriormente, com o porto de Santos".

Segundo Borges, apenas no final do século XVIII o local foi ganhando contornos de um povoado. "Em 1754, para ligar São Paulo ao porto de Santos, foi entregue a Calçada do Lorena, que ainda hoje conta com um trecho de 1.500 metros na serra. Temos sempre de conhecer para valorizar nossa história".

Prefeita Marcia Rosa durante a cerimônia (Foto: Divulgação/PMC)

Preservação

A prefeita Marcia Rosa informou que continuam as tratativas para garantir a preservação do Largo do Sapo e das casas que resistiram ao longo de décadas ao pesado tráfego de veículos que passa pelo local. "O primeiro porto geral do País precisa ser reconhecido. Temos uma história que deve ser preservada. Aqui surgiu a certidão de nascimento de Cubatão".

Marcia Rosa disse que pretende transformar o largo em um espaço cultural, um ponto de encontro de quem produz e consome arte e cultura. Mas para isso seria preciso desapropriar os imóveis históricos, hoje nas mãos de particulares. Ela espera sensibilizar os proprietários no sentido de que doem a área ao município.

Também participaram do ato solene o vice-prefeito Donizete Tavares do nascimento, secretários municipais e vereadores. A performance do Teatro do Kaos teve a participação e direção de Lourimar Vieira.

Colunas

Contraponto