Centro dos Estudantes de Santos irá debater ações contra reajuste de tarifa do transporte

CES se reunirá em plenária na noite de hoje e será destinada ao debate de propostas de ações para impedir o aumento

Comentar
Compartilhar
14 MAI 201512h22

Hoje, o Centro dos Estudantes de Santos (CES) e Baixada Santista realizam plenária com movimentos, organizações. Estudantes e população que se opõem ao aumento do preço da passagem do transporte público santista. A reunião acontecerá às 18h30, na sede do centro, que fica na Avenida Ana Costa, 308. A reunião será destinada ao debate de propostas de ações para impedir o aumento.

“O reajuste da passagem impacta diretamente o estudante. A Prefeitura de Santos segue na contramão. Enquanto o Estado deu o Passe Livre para os estudantes, Santos aumenta a passagem. Quem vem de São Vicente não paga passagem, mas paga para circular dentro da Cidade”, reclama o presidente do CES, Tarcísio de Andrade.

Com a assinatura do novo contrato de concessão— o que deve ocorrer entre os dias 18 e 22 de maio —, a Viação Piracicabana passará a cobrar R$ 3,25 pela tarifa, reajuste de 12% em comparação a atual, R$ 2,90. O CES se posicionou contrário ao reajuste e em defesa da implementação do passe livre estudantil e da gratuidade para idosos a partir de 60 anos.

O presidente do CES, Tarcísio de Andrade, e o diretor do Movimento de Igualdade Social, Ricardo Amarante, convida os estudantes para debater sobre o transporte (Foto: Matheus Tagé/DL)

“As questões que envolvem o transporte público afetam cidadãos e cidadãs de todas as idades e de diversas profissões, inclusive estudantes de Santos e de municípios vizinhos —especialmente a população de menor renda”, expõe o CES em nota oficial. E Tarcísio complementa: “Tudo dentro de uma faculdade já é bem caro. De um lanche ao material didático. Muitos estudantes não conseguem arcar com as despesas e desistem. Isso inclui o transporte”, explica.

Por isso, o centro convida os movimentos estudantis, Centros e Diretórios Acadêmicos, DCEs, estudantes independentes, grêmios, além dos demais movimentos e organizações sociais, sindicais, políticas e populares, entre outros grupos organizados e a população geral, para participar da plenária.