Audiência debate destino da Cadeia Velha

Dezenas de pessoas envolvidas na área cultural deverão comparecer à Câmara amanhã, às 19 horas

Comentar
Compartilhar
28 ABR 201513h02

Os santistas envolvidos diretamente, ou não, com a cultura de Santos e região terão hoje, às 19 horas, na Câmara (Praça Tenente Mauro Baptista de Miranda), a oportunidade de debater o destino da Cadeia Velha, na Praça dos Andradas, em uma audiência pública agendada após requerimento do vereador Marcelo Del Bosco Amaral (PPS). Representantes da Prefeitura e do Governo do Estado deverão participar. 

Fechada desde 2012, a Cadeia Velha deverá ser reaberta em janeiro de 2016, mês de aniversário da Cidade. O prédio centenário está com seu projeto de uso em discussão. Uma proposta apresentada em reuniões do Sistema Estadual de Museus de São Paulo visa transformar o espaço em mais um museu.

O ex-secretário de Cultura de Santos, Raul Christiano, cogitava transformar o local como plural, com biblioteca, Museu da Imagem e do Som, ocupação artística para ensaios, cafeteria e a itinerância do Museu da Língua Portuguesa. A proposta seria rediscutida neste ano.

Durante os últimos meses, o movimento artístico de Santos vem promovendo manifestações contrárias à transformação da Cadeia Velha em museu. O Coletivo Sanatório Geral promoveu uma intervenção artística durante o Sarau da Vila do Teatro afixando fotografias de artistas de Santos nos tapumes que envolvem a reforma que ocorre no prédio. 

Movimento artístico de Santos vem promovendo manifestações contrárias à transformação da Cadeia em museu (Foto: Divulgação)

A colagem nos tapumes da Cadeia Velha foi apenas uma das ações que o Coletivo pretende realizar pela reabertura da Cadeia Velha, com a finalidade de manter o espaço destinado à realização de mostras, oficinas, peças teatrais e iniciativas relacionadas a todos os tipos de artes.

A possibilidade da Cadeia Velha se tornar Museu da Baixada Santista não está sendo bem assimilada também pelo Movimento Teatral da Baixada Santista, que agrega dezenas de artistas de Santos e Região. Eles vêm se posicionando contrários à iniciativa pelas redes sociais e já realizaram reuniões abertas para discutir a proposta, que foi publicada pela imprensa em dezembro do ano passado.

O futuro museu seria o quinto num raio de dois quilômetros no Centro da Cidade, pois já existe o Museu Pelé (Ama Brasil), Casa do Trem Bélico (Prefeitura de Santos), Palácio Saturnino de Brito (Sabesp) e Bolsa do Café (também da Inci). 

Reforma

O Governo Estadual investiu em março desse ano uma verba de R$ 7,5 milhões para obras de restauro realizadas pelas empresas Erbauen e Gepas. Com mais de dois mil metros quadrados de área construída, o prédio terá: salas de produção de áudio e vídeo, auditório, memorial, recepção, administração, salão de exposições e banheiros.

As fachadas, esquadrias e pinturas ornamentais serão totalmente restauradas. O projeto inclui a adaptação de todas as áreas para receber pessoas com deficiência e a implantação de um elevador para acesso ao pavimento superior. A previsão é que o local seja reaberto em janeiro de 2016.