‘Ar-condicionado não é luxo’

Mãe reclama da falta do aparelho nas salas de aula; maioria das cidades não possui equipamento. Prefeituras tentam amenizar altas temperaturas somente com ventiladores

Comentar
Compartilhar
06 FEV 201410h52

As altas temperaturas deste verão têm preocupado pais da Região. Isso porque, na volta às aulas, a falta de aparelho de ar-condicionado e até mesmo ventiladores na sala de aula pode comprometer o rendimento escolar no início do semestre ou a saúde dos pequenos.

E esse problema já vem de outros carnavais. No ano passado, pais da rede municipal santista já reclamavam sobre o problema, o que fez o vereador Ademir Pestana (PSDB) requerer providências da Prefeitura. Em resposta, a Seduc esclareceu em abril de 2013, que as 670 salas de aula da rede para o Ensino Infantil e Ensino Fundamental I e II não são providas de condicionadores de ar, apenas ventilador. Informou ainda na época, que estaria efetuando um levantamento das dimensões de cada sala de aula, com o propósito de adquirir aparelhos para climatização do ambiente compatíveis com as dimensões de cada sala.

No entanto, o problema continua. “Ar-condicionado não é mais luxo, é necessidade. Fui à reunião para entrega do kit escolar na última segunda-feira, mas não conseguimos ficar na sala de aula mesmo com dois ventiladores. O meu filho passou mal, todo mundo passou mal”, reclama Cristiane Rodrigues Martins, mãe de uma criança de seis anos que estuda na escola Antônio Demóstenes de Souza Brito. A mãe não sabe se mandará o filho para as aulas enquanto tiver essa alta na temperatura. “Meu filho é alérgico e não ficou bem na sala de aula. Não tem como assistir aula numa sala como aquela. Queria que o prefeito ficasse por cinco minutos na sala de aula”, afirma.

Há quase um ano, a Prefeitura de Santos se propôs a fazer um levantamento para a instalação de aparelhos de climatização nas salas de aula do município.

Alunos da rede pública sofrem com o calor nas salas de aula (Foto: Matheus Tagé/DL)

Chegamos a mais um ano letivo e o levantamento continua. Em resposta aos questionamentos, o Executivo santista respondeu que o levantamento foi feito em 2013 e resultou no processo de licitação para compra de até mil ventiladores, que já foi concluído, e 300 já foram adquiridos. “Os 300 ventiladores serão instalados, de acordo com a solicitação das unidades. Outros aparelhos serão adquiridos conforme a necessidade das escolas”, afirmou em nota.

Com relação ao aparelho de ar-condicionado, a Prefeitura informou que a Secretaria de Educação (Seduc) está na fase de estudos da rede elétrica das escolas para depois abrir o processo de licitação dos aparelhos. Afirmou ainda que as UMEs Irmão José Genésio e Auxiliadora da Instrução já possuem condicionador de ar.

Enquanto isso, para amenizar o calor, a Seduc propõe que sejam realizadas mais atividades ao ar livre, como nos pátios e quadras, e pedem para que os docentes incentivem o consumo constante de água dos alunos.

Na Região

O problema de intenso calor em salas de aula ou em qualquer ambiente fechado sem ventilação adequada não acontece só em Santos. Por isso, a reportagem do Diário do Litoral questionou as demais prefeituras da Região para saber quais medidas foram tomadas para driblar as altas temperaturas nas escolas.

Em São Vicente, por exemplo, não há ar-condicionado nas salas de aula da rede municipal, mas todas possuem ventiladores. Há algumas salas com climatizadores, mas que foram instalados graças a Associação de Pais e Mestres (APM). Para reduzir o incômodo causado pelo calor excessivo, a Secretaria de Educação vicentina recomenda que os professores orientem os pais e os alunos para sempre levarem garrafinhas com água e toalhas de rosto.

Assim como São Vicente, as escolas da rede municipal de Itanhaém possuem somente ventiladores; e também disponibilizam bebedouros. A recomendação para os dias quentes é que as crianças frequentem as unidades escolares com roupas leves.

Em Mongaguá, em cada sala de aula, segundo informou o Departamento de Educação, há dois ventiladores, mas existe processo licitatório em curso para a compra de mais equipamentos e manutenção de ventiladores. A Prefeitura não sabe informar sobre a quantidade a ser adquirida.

Em Cubatão, segundo a Secretaria de Educação, grande parte das escolas do município conta com ventiladores e ar- condicionado. “Outras poucas escolas ainda não possuem ar condicionado, porque são antigas e tem que haver uma readequação na rede elétrica. A readequação da instalação elétrica já está sendo providenciada para a instalação destes aparelhos”, garante a Prefeitura. Para amenizar o calor, de forma geral, os professores das unidades escolares aconselham os alunos a usarem roupas leves e ingerir bastante líquido. Já os nutricionistas, durante este período, elaboram um cardápio mais leve.

Em Bertioga, todas as escolas municipais contam com ventiladores e algumas com ar-condicionado. A Prefeitura adquiriu recentemente aparelhos de ar-condicionado que deverão chegar nos próximos dias para serem instalados nas demais unidades que não contam com os equipamentos. Já a Prefeitura de Praia Grande se limitou a dizer que todas as salas de aulas das 64 escolas municipais contêm somente ventiladores.