Após 39 dias, greve dos servidores de Cubatão chega ao fim

A paralisação teve início no dia 28 de abril sobre forte repressão. Na data, a Câmara votou em primeira discussão os projetos da reforma administrativa

Comentar
Compartilhar
05 MAI 2017Por Diário do Litoral21h55
Servidores de Cubatão protestaram todos os dias em frente aos prédios do executivo e do legislativoServidores de Cubatão protestaram todos os dias em frente aos prédios do executivo e do legislativoFoto: Matheus Tagé/DL

Após 39 dias, os servidores públicos municipais de Cubatão encerraram a greve – a mais longa da história do município. O movimento teve início no dia 28 de março devido a reforma administrativa proposta pelo prefeito Ademário Oliveira (PSDB), apelidada pelo funcionalismo de ‘pacote de maldades’ por conter alterações em benefícios. A paralisação teve fim após a Administração Municipal retroceder em alguns itens das propostas já aprovadas e de conceder reajuste salarial de 3%, além de aumento de R$5,00 por dia no vale alimentação e anistia dos dias paralisados mediante reposição.

“O governo recuou em vários ítens da lei. Ofereceu reajuste de 3% e R$ 5 reais diários a mais no vale alimentação. Proposta de recomposição de salário a partir dos fechamentos do segundo e terceiro quadrimestres”, destacou Berenildo Gonçalo, vice-presidente do Sindicato dos Professores de Cubatão (SindPMC). Entre os artigos que serão alterados pelo Executivo estão os relativos às faltas e o pagamento integral de férias – para quem tem direito – até 2017.

“O sentimento de que recuperamos um pouco de nossa dignidade de trabalhadores. Em meio aos brutais ataques dessa onda ultra liberal que insiste em assolar o país, destruindo os serviços públicos, fica o sentimento de que, apesar de singela, demos nossa contribuição”, destacou o professor Peter Mahs, que integra a Comissão de Greve.

Para a professora Evelin Agria, o sentimento é de dever cumprido. “Muita coisa aconteceu e se não obtivemos o sucesso que gostaríamos, com certeza mostramos quem somos. A greve acaba, mas não a luta”, afirmou.

Histórico

A greve dos servidores teve início no dia 28 de abril sobre forte repressão. Na data, a Câmara Municipal votou em primeira discussão os projetos da reforma administrativa. Os funcionários públicos tentaram impedir a entrada dos vereadores no prédio do legislativo. A Polícia Militar foi acionada e lançou bombas de gás lacrimogêneo nos manifestantes. Quatro pessoas ficaram feridas. No mesmo dia, a justiça determinou o retorno de 80% do funcionalismo ao trabalho.

No dia 11 de abril, data da segunda votação dos projetos na Câmara, um grupo de funcionários públicos ocupou o plenário durante a sessão. Houve tumulto e a votação foi adiada para o dia seguinte.  

A greve também ganhou o apoio de pais de alunos. Diante da pressão e da necessidade de discussão do dissídio da categoria, o prefeito iniciou conversa com os servidores até resultar no término da greve na noite de ontem (5).