Cubatense fica com o bronze na Olimpíada Brasileira de Astronomia

Vinícius Henrique Felipe Reis Silva, de 14 anos, do 8º ano, foi o único representante da rede municipal de ensino no pódio da competição.

Comentar
Compartilhar
03 NOV 201212h00

O aluno Vinícius Henrique Felipe Reis Silva, de 14 anos, do 8º ano A, da UME Mário de Oliveira Moreira, conquistou a medalha de bronze na XV Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (Oba).

Único representante da rede municipal de ensino no pódio da competição, Vinícius comemorou sua classificação entre os melhores. "Não esperava ganhar medalha. Estou muito feliz!", disse.

Em sua segunda participação na Oba, o estudante contou que a prova deste ano estava um pouco mais difícil. Para se preparar para a prova, aplicada em sua própria escola no dia 11 de maio, o estudante contou com as orientações da professora Laura Muiños Torneiros, de Ciências, do professor Paulo Roberto Teixeira, de Geografia, e da professora Sílvia Rugani, de Matemática.
 
Apesar de ainda não ter uma ideia precisa de que carreira irá seguir no futuro, Vinícius é bom aluno nas matérias da área de Exatas. "Gosto muito de Matemática e também de Ciências. Talvez faça Engenharia Mecatrônica", diz ao ser indagado sobre a profissão que mais lhe agrada. Mas uma certeza ele tem. Fará um curso no Senai assim que tiver idade para isso.
 
O aluno Vinícius Henrique Felipe Reis Silva, conquistou a medalha de bronze na XV Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (Oba) (Foto: Divulgação)
 
Transformar
 
Segundo a professora Laura Muiños, este ano a UME Mário de Oliveira aplicou a prova da Oba para 56 estudantes dos oitavos anos. Desse total, os 10 melhores resultados foram escolhidos para representar a escola na competição.
 
De acordo com a professora, o projeto pedagógico da escola, intitulado Transformar, trabalha temas ligados à Astronomia, dentro do eixo temático Meio Ambiente. "No primeiro bimestre, trabalhamos o tema Espaço com nossos alunos, numa preparação para a Olimpíada. Fizemos inclusive uma aula noturna, onde eles puderam identificar as constelações e sua localização no espaço. A lua cheia colaborou e conseguimos observar a movimentação do Planeta", explicou, lembrando que a escola está inserida num bairro privilegiado para essa observação, aos pés da Serra do Mar.
 
A XV Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica é organizada anualmente pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e pela Agência Espacial Brasileira (AEB), com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Na edição deste ano, participaram 785.191 alunos dos ensinos público e particular de todo o País.

Colunas

Contraponto