Zen, sem regalias e porta-voz: ex-detento fala de Dado Dolabella na prisão

O artista está na 33ª Delegacia de Polícia (Pirituba), na zona norte de São Paulo

Comentar
Compartilhar
09 MAR 2018Por Folhapress21h38
Dado está preso há 34 dias por não pagar cerca de R$ 196 mil de pensão ao filhoFoto: Divulgação/Polícia Civil

Em entrevista ao programa "Fofocalizando", do SBT, nesta sexta-feira (9) um ex-companheiro de prisão de Dado Dolabella, Carlos Fernando Andrade, conhecido como MC Tio Chico, disse que o ator tem comportamento tranquilo, não tem regalias e que assumiu a função de "geral" na carceragem -uma espécie de porta-voz entre os presos, carcereiros e advogados.

Dado está na 33ª Delegacia de Polícia (Pirituba), na zona norte de São Paulo, onde há uma carceragem destinada somente a homens que não pagaram pensão alimentícia. Ele está preso há 34 dias por não pagar cerca de R$ 196 mil de pensão ao filho, fruto de seu relacionamento com Fabiana Vasconcelos Neves.

Segundo o entrevistado, que permaneceu 30 dias na prisão com o ator, ele não demonstrou nenhum traço de temperamento agressivo, como questionado pelo apresentador Décio Piccinini no programa.

"Ele não se revoltou, pelo contrário, ficou normal. Ele se adaptou bem à rotina. É família, amigo, nos ensinou coisas sobre a cultura vegana dele, dá palestras sobre isso. Pelos 30 dias em que o conheci, ele não é uma pessoa violenta. Todo mundo tem seu lado explosivo quando contrariado. Mas ele chegou tranquilo e abatido como todos", afirmou o MC.

Como todos os outros detentos do local -são 41 homens que dividem um mesmo pátio e com celas abertas-, Dado usa uma geladeira da delegacia, onde guardam leite e sucos, segundo Chicão.

"Ele não tem regalia, é um preso normal como todos os outros, divide com todos o que levam para ele. Não esconde as coisas", afirmou o ex-detento, que também disse ter composto uma música com Dado e outro preso.

"Não é (para mudança de carreira), é só uma música que fizemos. É bem comercial, fala de infância", afirmou o MC.

O músico afirmou que, como todos os presos do lugar, Dado é bem consciente sobre a situação e não explanou se tem previsão de quando e como vai sair.

"A gente trabalha tanto na vida e é preso por pensão. Não é normal para ninguém. Se tem dinheiro você paga e sai. Se não tem dinheiro e fica. Ele (Dado) é um cara centrado, tem objetivos, vontade de voltar ao mercado de trabalho e é esforçado como todos ali dentro", acrescentou o ex-detento.