CAMPANHA DE 1 A 11

'Não acredito que vai ter colapso e estou confiando no remédio', diz Bolsonaro

Por enquanto, não existe tratamento medicamentoso comprovado para o coronavírus

Comentar
Compartilhar
22 MAR 2020Por Folhapress07h04
Foto: Fábio Pozzebom/AB

Em meio a multiplicação de casos do novo coronavírus no país, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou na noite deste sábado (21) que não acredita que o sistema de saúde brasileiro vá colapsar. Sua aposta é na hidroxicloroquina, droga para malária anunciada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, como possível remédio para tratar também a Covid-19.

Por enquanto, não existe tratamento medicamentoso comprovado para o coronavírus, e médicos de todo o mundo vêm testando desesperadamente uma série de vacinas, na esperança de encontrar alguma coisa que ajude os pacientes, especialmente aqueles que estão severamente doentes.

As palavras de Trump, apesar da falta de evidências científica robustas, fizeram a droga desaparecer das prateleiras de drogarias pelo Brasil e deixou descobertos os pacientes que realmente precisam da substância.

Bolsonaro foi mais enfático do que o presidente americano ao falar da hidroxicloroquina. "Existe a possibilidade sim de que seja eficaz. Devemos nos antecipar porque esses testes levam tempo. Estamos na frente, pensando lá na frente. Na possibilidade de ser eficaz", afirmou em entrevista à CNN.

O presidente disse ter conversado com o hospital paulistano Albert Einstein e com a Aspen Farmacêutica. O primeiro, segundo Bolsonaro, deu início ao protocolo de pesquisa para analisar a nova substância em pacientes com a Covid-19. Já a empresa teria se comprometido a doar milhões de comprimidos, caso seja comprovada a sua eficácia.

Perguntado se, até lá, o sistema de saúde no país pode colapsar com a explosão do número de casos, Bolsonaro negou.

"Não acredito [que vá ter colapso]. Estamos alargando a curva de infecção e eu estou confiando no remédio que está sendo testado aqui e fora do Brasil. Agora, o que estamos fazendo é garantindo que nossos idosos, nossos pais, avós, tenham atendimento", afirmou o presidente.