X

Brasil

Carnes de frigoríficos investigados não oferecem risco à saúde, aponta análise

Foram dez amostras diferentes, entre carnes, linguiça calabresa, salsicha, presunto, salame e mortadela

Folhapress

Publicado em 31/03/2017 às 22:02

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Carnes de frigoríficos investigados não oferecem risco à saúde, segundo análise / Agência Brasil

A secretaria da Saúde do Paraná divulgou nesta sexta (31) que análises laboratoriais realizadas em amostras de produtos dos frigoríficos Peccin, JBS, BRF e Transmeat nos dias seguintes à Operação Carne Fraca estavam regulares, sem a presença de micro-organismos prejudiciais à saúde nem de aditivos em excesso.

Foram dez amostras diferentes, entre carnes, linguiça calabresa, salsicha, presunto, salame e mortadela, das marcas Seara, Friboi, Sadia, Perdigão, Italli e Novilho Nobre. O material foi colhido entre 20 e 21 de março em supermercados de Curitiba.

Em entrevista, a Polícia Federal afirmou que as empresas investigadas na Carne Fraca vendiam até carne podre, adulterando a data de validade e usando conservantes acima do permitido, lastreadas pelo pagamento de propina a fiscais do Ministério da Agricultura.

As acusações se baseiam, além de escutas telefônicas, em um laudo de produtos da Peccin que apontou, segundo a PF, uma concentração de aditivos e conservantes acima do permitido por lei. O documento é assinado por peritos federais e datado de setembro de 2015.

Já as análises divulgadas nesta sexta foram feitas pelo Lacen (Laboratório Central do Estado do Paraná), que faz análises laboratoriais para a vigilância sanitária estadual do Paraná.

Os testes analisaram aspectos físico-químicos dos alimentos, além das quantidades de nitrito e sulfito (usados como conservantes) e ph (que pode indicar contaminação por toxina botulínica). Também foi avaliada a presença de micro-organismos prejudiciais à saúde, como coliformes fecais, salmonela, estafilococos e clostrídios.

Todas as amostras tiveram resultado negativo.

Procurada pela reportagem, a PF ainda não havia se manifestado sobre o tema até o início desta tarde.

O frigorífico Peccin, interditado pelo Ministério da Agricultura desde a deflagração da operação, há duas semanas, também teve seus produtos proibidos pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nesta semana.

A empresa tem reiterado em nota que manifesta "forte repúdio" ao que chamou de "falsas alegações" da PF. Para a Peccin, a divulgação das informações foi motivada como "justificativa para a Operação Carne Fraca", mas realizada de forma distorcida e precipitada.

Funcionários da empresa chegaram a realizar uma manifestação em defesa do frigorífico.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Oportunidade

Praia Grande oferece 50 vagas gratuitas para oficina de fotografia

Inscrições começam na próxima segunda (22), no Palácio das Artes

COPA DO BRASIL

Sorteio define mandos das semis da Copa do Brasil; veja quem decidirá em casa

É a primeira vez na história que uma competição de cunho nacional terá a decisão das semis sendo do eixo Rio-SP, com 2 de cada estado

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software