07h : 04min

Assine o Diário e o Santista por R$8 por mês no plano atual

Oposição pressiona e governo adia calendário da reforma trabalhista

Antes do início da reunião desta quinta (8), os parlamentares da oposição alegaram que a proposta teria de ter sido incluída na pauta da comissão dois dias antes

Comentar
Compartilhar
08 JUN 2017Por Folhapress13h30
Calendário da reforma trabalhista foi adiado por conta de pressão da oposiçãoFoto: Divulgação

Depois de ter conquistado uma vitória com a aprovação da reforma trabalhista na primeira comissão do Senado, o governo não conseguiu dar o passo seguinte no prazo em que desejava.

A leitura do relatório da proposta na CAS (Comissão de Assuntos Sociais), prevista para esta quinta-feira (8), foi adiada para a próxima semana após pressão de senadores da oposição. Na terça-feira (6), a proposta foi aprovada pela CAE (Comissão de Assuntos Econômicos).

Antes do início da reunião desta quinta (8), os parlamentares da oposição alegaram que a proposta teria de ter sido incluída na pauta da comissão dois dias antes.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), concordou que a leitura ocorra na próxima terça-feira (13). Ao costurar o acordo, ele garantiu, contudo, que o novo calendário possibilite que a proposta seja colocada em votação no plenário ainda no mês de junho. O Palácio do Planalto quer que o texto seja aprovado antes do recesso parlamentar, que ocorre em julho.

"Há um posicionamento dos partidos de oposição solicitando que não fosse lido hoje [quinta]. Construímos um acordo de calendário. Lemos relatório na próxima terça [13], votamos na terça seguinte [20] e, no dia seguinte [21], lemos na CCJ. Na quarta seguinte [28], votamos na CCJ [Comissão de Constituição e Justiça] pela manhã", afirmou.

Dessa forma, segundo Jucá, a matéria pode ir a plenário na próprio dia 28, se o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), decidir colocá-la na pauta.

Alinhado com o governo, Eunício Oliveira abriu caminho para que a reforma não precise passar pela CCJ ao afirmar que o importante é que a proposta passe pelas comissões de mérito -CAE e CAS- e que o parecer pela constitucionalidade, que é atribuição da CCJ, pode também ser lido no plenário do Senado.

"O senador Romero Jucá quer apressar tudo para dizer que as reformas estão andando. A discussão é essa", afirmou o senador petista Lindbergh Farias (RJ), ao defender que a leitura ocorra na próxima semana.

O senador Paulo Paim (PT-RS) afirmou que o acordo de calendário é "positivo para boas relações" no Senado, independente do resultado da votação.

Colunas

Contraponto