Entrada da Cidade

José Carlos Peres lamenta problemas financeiros e diz que Santos 'parou no tempo'

O dirigente apontou, em um balanço, que o clube estava em situação péssima no início da temporada, o que praticamente inviabilizou a chegada de reforços

Comentar
Compartilhar
07 DEZ 2018Por Estadão Conteúdo09h40
, José Carlos Peres se pronunciou nesta quinta-feira sobre a situação financeira do clubeFoto: Divulgação/Santos FC

Há quase um ano à frente da presidência do Santos, José Carlos Peres se pronunciou nesta quinta-feira sobre a situação financeira do clube. O dirigente apontou, em um balanço, que o clube estava em situação péssima no início da temporada, o que praticamente inviabilizou a chegada de reforços.

"É impossível sair do estágio de fundo do poço financeiro em que estávamos em janeiro e chegar ao ápice em apenas um ano. Não há milagre", escreveu Peres, defendendo as ações inicialmente tímidas do clube no mercado, com a chegada de poucos nomes como Eduardo Sasha, Dodô e Gabriel.

No segundo semestre, o Santos, correndo risco de rebaixamento no Campeonato Brasileiro, apostou em três jogadores estrangeiros: o uruguaio Carlos Sánchez, o paraguaio Derlis González e o costarriquenho Bryan Ruiz. Peres defendeu que isso só foi possível em virtude do aumento de receitas após o complicado começo de ano.

"Com vendas de jogadores, as chegadas de novos patrocinadores, a presença da torcida nos jogos e o aumento da base do sócio torcedor, pudemos de forma pontual e estratégica, investir no elenco, com a chegada de três jogadores de nível de seleção e que foram fundamentais para nossa retomada", afirmou o dirigente

Na visão de Peres, o Santos ficou para trás em relação aos outros times grandes de São Paulo na obtenção de receita. O dirigente apontou que o time parou no tempo. "De um cenário em que arrecadávamos igual aos outros 3 grandes de São Paulo, entre 2010/2014, nós paramos no tempo. Ficamos muito atrás neste quesito e é hora da retomada. Tenho certeza que quando conseguirmos todos colocar as contas em ordem, vamos deixar para trás o tempo perdido, e voltar a faturar de acordo com a grandeza, a história e a originalidade que apenas o Santos FC reúne", concluiu.

Eleito em dezembro de 2017 para um mandato de três anos, Peres chegou a enfrentar um processo de impeachment, mas teve o apoio dos sócios para seguir à frente do Santos. E no primeiro ano da sua gestão, o time caiu nas semifinais do Campeonato Paulista, nas quartas de final da Copa do Brasil e nas oitavas da Copa Libertadores, além de ter encerrado o Brasileirão em 10.º lugar.

Colunas

Contraponto