Entrada da Cidade

Com o respaldo de Zico, brasileiro, ex-Santos, quer fazer história no Japão

A partida coroará um campeão inédito na Champions asiática, que dá ao vencedor uma vaga no Mundial de Clubes da Fifa, em dezembro, nos Emirados Árabes Unidos

Comentar
Compartilhar
09 NOV 2018Por Folhapress17h01
Serginho hoje é atleta do Kashima Antlers, do JapãoFoto: Divulgação/Santos FC

Kashima Antlers, do Japão, e Persepolis, do Irã, decidem neste sábado (10) no estádio Azadi, em Teerã, a Liga dos Campeões da Ásia. A partida coroará um campeão inédito na Champions asiática, que dá ao vencedor uma vaga no Mundial de Clubes da Fifa, em dezembro, nos Emirados Árabes Unidos.

O Kashima está bem perto do título, já que a partida de ida, como mandante, ganhou por 2 a 0. O principal destaque do clube japonês na competição é um brasileiro: Serginho, ex-Santos.
No Kashima desde agosto, o meia-atacante fez um gol em cada um dos cinco jogos que disputou pela equipe na Liga dos Campeões. Um deles, inclusive, foi decisivo.

Na semifinal, contra o Suwon Bluewings, na Coreia do Sul, marcou aos 37 minutos do segundo tempo o gol do empate por 3 a 3, resultado que valeu a classificação -o Kashima vencera o jogo de ida por 3 a 2.

Este é o melhor momento na carreira do jogador canhoto de 23 anos, nascido em Monte Aprazível, cidade de cerca de 25 mil habitantes localizada no noroeste paulista, a 474 quilômetros de São Paulo, na região de São José do Rio Preto.

Serginho esteve nas categorias de base do Santos a partir de 2011 e teve como adversários, em treinamentos, Neymar e Paulo Henrique Ganso. Profissionalizou-se em 2014, porém nunca conseguiu se firmar no alvinegro praiano.

Jogou por empréstimo no Vitória da Bahia, no Santo André-SP e, neste ano, no América-MG, onde suas atuações chamaram a atenção de Zico, que defendeu a seleção brasileira em três Copas do Mundo (1978, 1982 e 1986) e é um dos maiores ídolos do Flamengo e do Kashima Antlers.

Zico, hoje com 65 anos, atuou pelo maior campeão do Campeonato Japonês de 1991 até 1994, quando pendurou as chuteiras. O Kashima ganhou oito vezes a J-League.

Diretor técnico da equipe desde julho, foi quem recomendou a contratação de Serginho e iniciou as negociações com o Santos, segundo relato do jogador à reportagem.

O meia-atacante destaca a importância de Zico, desde sua chegada ao Japão, para que ele pudesse apresentar um bom futebol.

"O Zico é muito presente, está em todos os treinos, procura sempre dar conselho. No meu primeiro jogo, ele me disse que o que me trouxe para cá foi o que eu estava fazendo no Brasil e que era para eu fazer a mesma coisa, pois iria dar certo. Isso me deu uma tranquilidade a mais. Tê-lo no dia a dia, ele que foi um ídolo, um jogador fora do normal, eu nem tenho palavras para explicar. E foi o que ele falou: as coisas estão dando certo."

Além dos cinco gols na Liga dos Campeões, Serginho marcou dois na J-League e outros dois na Copa da Liga Japonesa.

São nove gols em 17 partidas -média de 0,53, muito boa para um jogador que não fica com tanta frequência tão perto do gol-, mais do que tinha feito em toda a carreira profissional (sete gols pelo América e um pelo Vitória).

Serginho diz ter o sonho de jogar no futebol da Europa e acha que o desempenho no Kashima pode ajudá-lo. Ressalta, porém, ter vontade de, antes de uma possível transferência, triunfar no clube atual, com o qual tem contrato até 2021.

"O Kashima é uma ótima vitrine, pelo nome que tem, pelo que o Zico fez no clube e pelo que está fazendo hoje. Isso conta muito. Espero ficar bastante tempo aqui e fazer história por este grande clube."

Terá sua chance na decisão da Champions, já que nem com Zico o Kashima chegou ao topo na Ásia.

Colunas

Contraponto