Entrada da Cidade

Pai e madrasta de Isabella Nardoni pedem redução de pena ao STF

O pedido foi protocolado na última sexta-feira, 2, pelo advogado do casal, Roberto Podval, mas ainda não tem prazo de julgamento

Comentar
Compartilhar
07 MAR 2018Por Estadão Conteúdo20h38

Tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de redução das penas de Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá, condenados pela morte da menina Isabella Nardoni, em 2008, quando ela tinha cinco anos, em São Paulo. O pedido foi protocolado na última sexta-feira, 2, pelo advogado do casal, Roberto Podval, mas ainda não tem prazo de julgamento.

Alexandre, pai da criança, foi condenado a 30 anos e dois meses de prisão, enquanto a madrasta Ana Carolina recebeu pena de 26 anos e oito meses. Os dois estão presos em penitenciárias de Tremembé, no interior paulista.

No pedido, que está em segredo de Justiça, a defesa argumenta que as penas aplicadas ao casal foram exacerbadas pela repercussão dada ao caso pela mídia e pela grande comoção social gerada pelas circunstâncias da morte da menina. Embora os réus sempre tenham negado a prática do crime, as penas foram agravadas pelas qualificadoras e aplicadas em grau máximo, segundo a defesa. De acordo com Podval, em casos semelhantes o Supremo acolheu pedidos de redução. O ministro Dias Toffoli será relator do habeas corpus.

A menina foi jogada do sexto andar do Edifício London, onde a família morava, na Vila Guilherme, em São Paulo, no dia 29 de março de 2008. Alexandre e Ana Carolina foram acusados e condenados pelo crime. A defesa negou o envolvimento dos dois, atribuindo o crime a uma terceira pessoa que teria invadido o apartamento.

Em julho do ano passado, Ana Carolina obteve a progressão para o regime semiaberto. Com isso, ela adquiriu o direito de sair da prisão em datas especiais. No final deste mês, a detenta deve ser beneficiada com a saída temporária pela Páscoa. Alexandre continua preso em regime fechado.

Colunas

Contraponto