X

Automotor

Versão top da Chevrolet Montana tem preço a partir de R$ 153.900

Com o mesmo motor 1.2 Turbo Flex das outras versões da Chevrolet Montana, a configuração "top" RS investe na estética esportiva

Luiz Humberto Monteiro Pereira - AutoMotrix

Publicado em 24/12/2023 às 07:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Produzida em São Caetano do Sul (SP), a Montana tem 4,72 metros de comprimento - ante os 4,48 metros da Fiat Strada e os 4,95 metros da Toro / Luiza Kreitlon/AutoMotrix

Em dezembro de 2022, a nova Montana teve sua apresentação mundial, e as primeiras unidades chegaram às concessionárias brasileiras em fevereiro. O modelo concorre no segmento das picapes intermediárias – que se posicionam entre as compactas (derivadas de hatches, como a Fiat Strada e a Volkswagen Saveiro) e as médias (com chassis em longarinas, como a Chevrolet S10, a Toyota Hilux e a Ford Ranger). A nova Montana chegou disposta a encarar a líder da categoria das picapes intermediárias, a Fiat Toro, e ainda tentar tomar clientes das versões mais caras da Strada, que desde 2021 tornou-se o automóvel mais vendido do Brasil. A linha 2024 da Montana, que chegou às concessionárias em agosto, trouxe como novidade a versão RS, a nova “top” de linha da picape da Chevrolet. A variante com a sigla que significa “Rally Sport” é caracterizada por itens para reforçar a esportividade do exterior e o requinte do interior. Com a nova opção, a Montana passou a ter cinco níveis de acabamento: MT, LT, LTZ, Premier e RS. O preço sugerido para a Montana RS parte de R$ 153.900, na cor Vermelho Chili. A carroceria na tonalidade Branco Summit acrescenta R$ 950 e as cores Preto Ouro Negro e Cinza Rush (a do modelo testado) agregam R$ 1.950 à fatura.

Produzida em São Caetano do Sul (SP), a Montana tem 4,72 metros de comprimento (ante os 4,48 metros da Strada e os 4,95 metros da Toro), 1,80 metro de largura, 1,66 metro de altura e 2,80 metros de entre-eixos. A plataforma modular Global Emerging Markets (GEM), de origem chinesa, é empregada também no Onix, no Onix Plus e no Tracker. Sua modularidade permitiu ampliar bastante a base do Tracker – a picape tem 45 centímetros de comprimento e 23 centímetros a mais de entre-eixos do que o SUV. Na frente, destacam-se os conjuntos ópticos bipartidos com luzes de circulação diurna em leds (que lembram os da Toro) e a ampla grade, também bipartida. Chamado pela marca norte-americana de “Caçamba Multi-Flex”, o compartimento de carga da nova Montana traz oito ganchos para amarração de carga e leva até 874 litros. A iluminação da caçamba é garantida por duas lâmpadas em leds, instaladas na altura das caixas de roda. Protetor de caçamba e capota marítima são de série na RS.

 Apesar de ser uma versão, a RS também poderia ser apresentada como um pacote visual, pois não agrega equipamentos na comparação com a Premier – que custa R$ 3.060 a menos. A RS traz grade frontal estilo colmeia com detalhes em preto brilhante, com a barra em cromo escurecido e a gravata estilo “Black Bowtie” (em vez da habitual dourada). As rodas esportivas diamantadas em dois tons de 17 polegadas são exclusivas da RS e são “calçadas” por pneus 215/50-17, enquanto os espelhos externos têm capa na cor preta brilhante. A logomarca “Chevrolet” e o emblema “RS” na tampa traseira são na cor preta e o rack de teto e o santantônio são integrados e exclusivos da RS. Na traseira, uma barra com acabamento em preto brilhante faz a conexão entre as lanternas, que trazem iluminação convencional (sem leds), formando um elemento único. 

Toda a linha Montana é equipada com o motor 1.2 tricilíndrico turboflex com até 133 cavalos de potência e 21,4 kgfm de torque, com correia dentada banhada a óleo. Na RS, vem acoplado à transmissão automática de 6 marchas – o mesmo “powertrain” que move as configurações mais caras do Tracker. Pelos dados do Inmetro, o consumo da RS fica em 11,1 km/l (gasolina) e em 7,7 km/l (etanol) na cidade e em 13,3 km/l (gasolina) e em 9,3 km/l (etanol) na estrada. A picape também utiliza o mesmo conjunto de suspensão do Tracker, com sistema independente MacPherson na frente e eixo de torção atrás. 

A oferta de equipamentos de série da linha Montana inclui itens como seis airbags, alerta de ponto cego, assistente de partida em aclive e tampa da caçamba com alívio de peso. Na RS, há ainda carregador de celular por indução, alerta de pontos cegos, faróis full-led com regulagem de altura, acendimento automático com sensor crepuscular, ar-condicionado digital automático, capota marítima, chave inteligente com sensor de aproximação e partida por botão, piloto automático, câmera de ré, Wi-Fi nativo, sistema OnStar e aplicativo para comandar funções do carro remotamente. Itens como faróis de neblina de leds, estribo, capota marítima com abertura elétrica e subwoofer JBL são oferecidos como acessórios para todas as versões. A capota marítima com recolhimento elétrico, que transforma a caçamba em um porta-malas praticamente inviolável, custa R$ 12.990. Para quem gosta de um toque extra de personalização, a Montana RS oferece opcionalmente pedaleiras esportivas em alumínio, soleiras de portas iluminadas, escapamento em aço inoxidável e letras em 3D com opções de cores (vermelha, cromada, preta e cromo escurecido) em alto relevo para a inscrição “Chevrolet” na tampa traseira. 

No acumulado do ano, a Montana ocupa o segundo lugar entre as picapes intermediárias, com os 27.539 emplacamentos obtidos até novembro de 2023, superada apenas pelas 46.606 vendas da Toro e à frente das 11.375 da Renault Oroch no mesmo período. No mês passado, a picape da Chevrolet foi ultrapassada em comercializações pela novata Ram Rampage. Foram emplacadas em novembro 4.418 Toro, 3.026 Rampage, 2.263 Montana e 891 Oroch.

Experiência a bordo
Interpretação chique

Apesar de reaproveitar itens do Tracker e do Onix, a Chevrolet capricha mais no interior da Montana, especialmente na versão RS. Os revestimentos dos bancos, do volante de base reta e dos painéis são pretos foscos com costura pespontada vermelha e os insertes da direção, dos dutos de ventilação e do console central são em preto brilhante. O painel, em plástico duro, contém uma faixa imitando couro com uma linha vermelha e costuras com linha vermelha, que conferem um toque de esportividade ao ambiente. A RS traz Wi-Fi nativo, atualização remota de sistemas eletrônicos, aplicativo myChevrolet para comandar funções do veículo à distância, ar-condicionado digital automático, sensor de estacionamento traseiro com câmera de ré, airbags frontais, laterais e de cortina e alerta de ponto cego. 

O cluster de instrumentos traz dois mostradores analógicos (conta-giros e velocímetro) e um display digital de TFT monocromático de 3,5 polegadas. A lista de itens de série inclui ainda painel multimídia integrado MyLink com tela de 8 polegadas, função áudio streaming e Bluetooth para até dois smartphones simultaneamente, Android Auto e Apple CarPlay com projeção sem o uso de cabo e carregador por indução, chave inteligente, computador de bordo com informações como indicador de vida útil do óleo e monitoramento de pressão dos pneus. O sistema OnStar oferece resposta automática em caso de acidente, botão de emergência e assistência na recuperação veicular.

Impressões ao Dirigir
Dentro da proposta

A Chevrolet Montana RS não é uma picape esportiva – e nem tenta ser. A intenção é ser uma picape que não deixa a desejar em relação a um carro de passeio. Ou um carro de passeio com uma caçamba de bônus, para quem precisa esporadicamente de uma picape. Na prática, o motorista nem percebe se está dirigindo uma picape ou um utilitário esportivo. A vocação da Montana RS é ser um automóvel familiar. O motor 1.2 turbo tem entregas lineares, com uma calibração mais “esperta” que a do Tracker. A vibração habitual dos motores de três cilindros é perceptível (de forma sutil) apenas em marcha lenta. Como 90% do torque é entregue de 1.500 e 5 mil rpm, a picape reage rápido às solicitações feitas pelo pedal da direita e é ágil no trânsito. O câmbio automático de 6 velocidades não dá trancos e quase sempre oferece a marcha certa para aproveitar o torque do motor. A transmissão foi calibrada para manter o motor rodando em baixa rotação. Não há borboletas para trocas sequenciais, apenas um botão no câmbio, que deve ser utilizado na posição Low para aproveitar mais o freio-motor em declives prolongados. A direção é direta, com assistência elétrica com cargas corretamente definidas para baixas e altas velocidades.

Por ser uma picape, era de se esperar que a carroceria da Montana se movimentasse mais nas mudanças de direção. Contudo, esteja a caçamba vazia ou cheia, a dirigibilidade não é comprometida. O sistema de duplo batente para a suspensão varia mecanicamente entre as posições vazia e carregada, ajudando a deixá-la menos saltitante quando passa por piso irregulares. A suspensão privilegia o conforto, porém, mantém um compromisso com a estabilidade. O acerto do conjunto suspensivo impressiona bem, com a picape absorvendo eficientemente as irregularidades do piso. Mantém a carroceria equilibrada, mesmo em curvas em alta velocidade. A Montana RS traz indicador de movimento no ponto cego, mas não oferece recursos semi-autônomos de assistência à direção, como piloto automático adaptativo (há apenas o convencional), auxiliar de manutenção em faixa ou frenagem de emergência.

Ficha Técnica
Chevrolet Montana RS

Motor: 1.2 turbo, flex, três cilindros, 12V, 1.199 cm³ 
Transmissão: automática, 6 marchas
Tração: dianteira
Potência: 132 cavalos a gasolina / 133 cavalos a etanol a 5.500 rpm
Torque: 21,4 kgfm a 2 mil rpm
Combustível: gasolina e/ou etanol
Suspensão: dianteira tipo MacPherson com barra estabilizadora helicoidal, traseira eixo de torção semi-independente
Rodas: liga leve de 17 polegadas
Pneus: 215/55 R17
Dimensões: 4,72 metros de comprimento, 1,80 metro de largura, 1,66 metro de altura e 2,80 metros de entre-eixos
Peso: 1.310 kg
Caçamba: 874 litros
Tanque de combustível: 44 litros 
Preço: R$ 153.900, na cor Vermelho Chili. A cor Cinza Rush (do modelo testado) agrega R$ 1.950 à fatura.

Leia esta matéria também na Gazeta de S. Paulo

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Vai passear? Estradas têm tráfego tranquilo nos dois sentidos do SAI

Segundo boletim da Ecovias, o Sistema Anchieta-Imigrantes segue em Operação Normal 5x5 na manhã deste sábado (15)

JUNHO VIOLETA

Aumento de agressões contra idosos estimula combate ao etarismo

Agressões contra idosos tiveram aumento de quase 50 mil casos em 2023, na comparação com o ano anterior

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter