Pensionistas têm benefício reduzido em 50% com MP 664

328 viúvas da Baixada que solicitaram as pensões durante vigência da MP 664 só vão receber 50% do benefício e terão que recorrer à Justiça, pois texto aprovado prevê pensão integral

Comentar
Compartilhar
31 MAI 201511h40

Um movimento liderado por alguns sindicatos da Baixada Santista está intercedendo junto ao Congresso Nacional para rever, antes da sanção presidencial sobre a MP 664, a concessão de pensões feitas durante a vigência da medida provisória, em 1º de março. Esta concessão está causando prejuízos de até 50% às novas viúvas, pois elas estão recebendo benefícios seguindo o texto original da MP.

Ele previa que pensões seriam concedidas no valor de 50% mais 10% para cada dependente. Só que o artigo do texto foi derrubado na Câmara e Senado, o que faz com que essas seguradas permaneçam na vacância da nova legislação.

Na Baixada Santista, segundo o DL apurou junto ao INSS existem 328 pensionistas prejudicadas pela medida provisória 664, aprovada na última quarta-feira no Senado e que será enviada para sanção presidencial nos próximos dias. Esses benefícios foram concedidos em Santos e cidades da Baixada Santista, mais Litoral Norte, Sul e Vale do Ribeira.

INSS da Região concedeu 378 pensões por morte até a última semana, todas sob efeitos da MP-664 (Foto: Matheus Tagé/DL)

Sindicalistas reunidos no Sindicato dos Portuários (Sindaport), encaminharam ao deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) uma proposta de emenda que visa garantir os direitos e a manutenção de 100% dos benefícios, com efeito retroativo à data da publicação da MP 664 (30 de dezembro de 2014). “Temos que considerar a existência de um buraco negro no meio de toda essa discussão, que corresponde ao hiato entre a data em que a MP passou a vigorar e a de aprovação do texto final”, alertou Everandy Cirino. Segundo ele, os valores referentes ao período correm o risco de não serem corrigidos pela Justiça.

Caso o Congresso Nacional não consiga resgatar na nova legislação através da retroação dos seus efeitos específicos sobre o benefício de pensão por morte a 1º de março de 2015, o prejuízo vai afetar milhares de pensionistas em todo País, que terão que recorrer ao Judiciário para tentar desfazer essa injustiça.