Centrais definem hoje pauta de reivindicações

Fim do fator previdenciário é uma das bandeiras das centrais, mas encontra resistência do Governo

Comentar
Compartilhar
15 JAN 201411h49

As centrais sindicais terão hoje, às 16 horas, na sede da CUT, em São Paulo, a primeira reunião de 2014, para intensificar a luta pela pauta trabalhista, que inclui como uma das prioridades, a luta pelo fim do fator previdenciário, que desde que foi criado, em 1999, já tirou mais de R$ 60 bilhões dos bolsos do trabalhador”

“O Governo tira compulsóriamente este montante enorme dos bolsos dos trabalhadores  no momento da aposentadoria para repassar às empresas, uma vez que a desoneração na folha de pagamento está causando um rombo de bilhões nos cofres do INSS”, diz Herbert Passos Filho, presidente do Sindicato dos Químicos da Baixada Santista e coordenador da Força Sindical, entidade com 35 sindicatos filiados na região.

Paulo Pimentel, PP, o mais antigo sindicalista em atividade na Baixada Santista, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Saúde de Santos e Região, e coordenador da Nova Central Sindical de Trabalhadores na Baixada, afirma que o Governo já teve muito tempo para acabar com o fator, “mas  continua adiando o fato,pois está lucrando mais de R$ 10 bilhões por ano”.

Ele diz que a NCST de São Paulo, através do presidente Luiz Gonçalves, Luizinho, vai participar do encontro, e que além do fator, a central luta contra a terceirização, redução da jornada de trabalho e por reajuste digno para os aposentados. 

Fim do fator é consenso entre as  centrais (Foto: Divulgação)