Bazar tem mais de 50 anos de história em São Vicente

Proprietário emoldura quadros desde os 18 anos e sua história está nas paredes da Cidade.

Comentar
Compartilhar
02 JUN 2019Por Caroline Souza11h42
Donizetti Teixeira Filho, 63 anos, trabalha emoldurando quadros desde os 18. Sua loja, o Bazar Teixeira, é referência em molduras.Foto: NAIR BUENO/DIÁRIO DO LITORAL

Os quadros da Casa do Barão e das Prefeituras e Câmaras de São Vicente e Praia Grande contam também a história de Donizetti Teixeira Tavares. O proprietário do Bazar Teixeira é o responsável por emoldurar muitos deles. Suas molduras já foram até para fora do Brasil.

Quando o artista termina seu quadro ou o fotógrafo revela sua foto, o destino para os últimos 'detalhes' tem endereço certo: a Rua Campos Sales, 219, no Centro de São Vicente.

O negócio começou com seu pai, Avelino Teixeira Tavares Filho, há mais de 50 anos. A loja foi inicialmente montada na Jacob Emmerich, mas há cerca de 30 a Rua Campos Sales é o endereço conhecido por quem procura por molduras. Donizetti assumiu o negócio do pai aos 18 anos e se tornou referência no ramo de artesanato.

O Bazar Teixeira é o único especializado em molduras em São Vicente e ficou tão conhecido que recebe munícipes das cidades vizinhas também, especialmente Santos e Praia Grande.

"Eu monto as molduras e faço o acabamento, mas meu diferencial é que faço na hora", comenta. O tempo para emoldurar depende muito do tamanho da obra, mas, conhecido por sua eficiência, Donizetti leva entre 30 minutos e uma hora para finalizar o trabalho.

Em sua loja, a moldura mais barata, já pronta, custa R$ 20,00. A mais cara, por sua vez, é cerca de R$ 90,00 o metro.

"Já fui motivo de uma pintura que ganhou prêmio em uma exposição em São Paulo", lembra, orgulhoso. Certa vez, quando estava emoldurando um quadro, o artista tirou uma foto de seu Donizetti e, posteriormente, fez o quadro 'O moldureiro', em óleo sobre tela, que levou a premiação.

COMÉRCIO

Há tantos anos no comércio vicentino, Teixeira já viu muitas lojas abrindo e fechando as portas. "Você abre de manhã e não sabe se vai ser bem-sucedido, mesmo assim, o comerciante é persistente e ainda tem muito comércio antigo na Cidade", ressalta.

Donizetti faz parte da Associação Comercial de São Vicente e do Elos Clube da cidade. Com sua vasta experiência no ramo, ele afirma que o comércio "é um dia pelo outro". "Hoje, o Centro está saturado e os aluguéis caros, então o pessoal está abrindo suas lojas nos bairros".

Teixeira continua trabalhando e não pretende parar tão cedo. "A receita do sucesso é fazer o serviço direito e acho que as pessoas gostam de falar diretamente com o dono", comenta. "Tenho clientes que eu vi crescer. Já me aposentei há dez anos, mas vou continuar trabalhando".

Colunas

Contraponto