X

Santos

Cães irão ajudar no tratamento na Clínica-Escola do Autista de Santos

A iniciativa faz parte do projeto de Cinoterapia, ou Terapia Facilitada por Cães, atividade que usa o cão como facilitador no processo terapêutico

Da Reportagem

Publicado em 29/02/2024 às 22:23

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Houve a aproximação dos técnicos, terapeutas e profissionais da GCM que vão aplicar os treinos corretos para os cachorros interagirem com as crianças e ajudarem na assistência realizada no local / Isabela Carrari/PMS

Siga as notícias do Diário do Litoral no Google Notícias

Na tarde desta quarta-feira (28), psicólogos e coordenadores da Clínica-Escola do Autista de Santos (Marapé), receberam a visita de cães do canil da Guarda Civil Municipal (GCM), acompanhados da equipe de segurança pública, para discutir projetos futuros em prol do tratamento de pacientes.

Houve a aproximação dos técnicos, terapeutas e profissionais da GCM que vão aplicar os treinos corretos para os cachorros interagirem com as crianças e ajudarem na assistência realizada no local. Dessa forma, os psicólogos da unidade pensarão nos pacientes mais elegíveis para a prática.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

A iniciativa faz parte do projeto de Cinoterapia, ou Terapia Facilitada por Cães, atividade que usa o cão como facilitador no processo terapêutico. A prática contribui para o desenvolvimento motor, equilíbrio, fala, além de fazer com que a criança, cada vez mais, se sinta segura e possibilitada a demonstrar emoções.

Para a missão, a equipe da GCM conta com uma turma especial composta por Ozzy (border collie), Hórus (pastor belga malinois) e o carismático Luke (goldendoodle), a mascote da turma.

SP repara cadeiras de rodas e emite carteira do autista

PILOTO

O projeto-piloto começou em agosto do ano passado, no Grupo de Avaliação Diagnóstica e Intervenção (Gadi), que atende pacientes com os três níveis de transtorno do espectro autista (TEA): 1 (leve), 2 (moderado) e 3 (grave). A clínica, focada no atendimento interdisciplinar de crianças, jovens e adultos, proporciona brincadeiras e atividades para desenvolvimento da autonomia dos atendidos, juntamente aos cães.

Durante a reunião, a equipe da GCM exibiu depoimentos em vídeo de mães de pacientes de outras unidades que, com toda a emoção, falaram sobre a importância da cinoterapia na vida dos filhos em tratamento. Em um dos vídeos, inclusive, uma das mães comenta sobre a dificuldade do pequeno em escovar os próprios dentes e que, graças aos cãezinhos e profissionais, o filho finalmente está realizando a prática sozinho. Como? Pelo simples ato de escovar os dentes do Hórus durante os encontros.

“É possível enxergar a imensidão desse trabalho feito por psicólogos e unidades de saúde principalmente quando falamos do desenvolvimento das crianças atendidas. Dessa forma, colocando essa terapia em prática, visamos a melhoria da qualidade de vida delas e a interação entre os serviços da prefeitura e a comunidade”, afirma a chefe do Departamento de Direitos Humanos e Cidadania, Suzete Faustino.

Os psicólogos da unidade também puderam tirar dúvidas sobre as apresentações dos animais e como as crianças de outras clínicas eram estimuladas a interagir com eles. Para a coordenadora da Escola de Família, Luciana Macedo, a prática será bem-vinda ao tratamento dos assistidos. “É tudo em prol do paciente. O importante é que valha a pena e que a gente consiga alcançar alguns objetivos que talvez sejam mais difíceis sem o acompanhamento de um cachorro. Temos a expectativa de que as crianças respondam bem aos estímulos e demonstrem resultado. Será especial”.

A inspetora-chefe da GCM, Nizete Maurício dos Santos, acompanha o desenvolvimento dos pacientes desde o início das apresentações nas clínicas especializadas. “A gente percebe que as crianças, mesmo enfrentando algum medo de início, têm aquela sensibilidade com o cão. Nesses meses de projeto, já deu para carregar uma bagagem e sentir o quão benéfica tem sido essa terapia não só para os pacientes, mas para os profissionais, que nos apontam algumas lacunas que precisam ser melhoradas no tratamento e que podemos auxiliá-los de alguma forma”.

Instituições de São Paulo e Rio conhecem a Clínica-Escola do Autista de Santos

Ao final da conversa e das dúvidas tiradas, os psicólogos e coordenadores receberam os cheiros e afagos dos cães e puderam presenciar técnicas de adestramento e truques que os animais aprenderam durante o tempo no canil.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Sabesp interrompe abastecimento de água em bairros de São Vicente

Serviços podem interferir no fornecimento nesta semana e na próxima

Diário Mais

Saiba os melhores pontos para observação de Ovnis no litoral de SP

Os locais citados estão em Peruíbe

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter