X

Problema

Quatro dias depois, moradores ainda não podem voltar a prédio esvaziado em Praia Grande

De acordo com a prefeitura, mais de 2.000 escoras metálicas estão sendo usadas de forma emergencial em uma ação que deve ser finalizada durante o fim de semana para reduzir a carga estrutural dos pilares que sofreram abalo

Folhapress

Publicado em 17/02/2024 às 10:55

Atualizado em 17/02/2024 às 10:56

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Em meio à angústia pela indefinição também surgem informações desencontradas que deixam os moradores ainda mais preocupados / Divulgação/Prefeitura de Praia Grande

A construtora responsável pelo prédio esvaziado por problemas estruturais em Praia Grande, na Baixada Santista, entregou, nesta sexta-feira (16), planos de reparo e recuperação definitiva pedidos pela prefeitura. Os moradores, contudo, seguem sem ter uma solução para o problema.

"Os projetos solicitados foram entregues e aguarda-se autorização para início dos trabalhos", afirmou a Construtora e Incorporadora de Imóveis JR Ltda, em nota à reportagem.

"Muitas famílias já foram acomodadas na cidade. Para outras, que possuem animais de estimação, foi oferecido um auxílio financeiro, mediante reembolso de despesas habitacionais e alimentação", disse a empresa.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

"Na prática, continuamos sem autorização para pegar nossas coisas", lamenta a aposentada Iracema Vieira da Silva, 71. Viúva, ela mora sozinha no 18º andar e, desde os três estrondos causados por danos em colunas na terça-feira (13), ficou alojada na casa de uma amiga. Nas últimas horas, foi acomodada pela construtora em um imóvel de temporada.

"O problema maior é que faço tratamento contra um câncer e meus remédios para a quimioterapia domiciliar ficaram para trás. Aliás, também estou sem os pedidos médicos de exames. Alguns, inclusive, eu faria neste sábado [17]. É situação de calamidade para mim", afirma.

"Está mantida a interdição total do condomínio", avisou, na noite desta sexta-feira, a Prefeitura da Praia Grande. Por nota, relatou que "equipes da Secretaria de Urbanismo e da Defesa Civil realizaram nova vistoria no edifício Giovannina Sarane Galavoti, localizado na avenida Jorge Hagge, número 80, no bairro Aviação. Um engenheiro acompanhou os trabalhos".

De acordo com a prefeitura, mais de 2.000 escoras metálicas estão sendo usadas de forma emergencial em uma ação que deve ser finalizada durante o fim de semana para reduzir a carga estrutural dos pilares que sofreram abalo. Testes no sistema de gás e no elevador não detectaram anomalias.

Paralelamente, a Secretaria de Urbanismo da Prefeitura de Praia Grande e a Defesa Civil iniciaram as análises do plano emergencial de escoramento, do projeto de recuperação definitiva das estruturas danificadas e do laudo de condição estrutural da obra.

São justamente esses os documentos protocolados pela construtora nesta sexta-feira.

"Vejo tudo com uma tristeza adicional porque o meu apartamento foi o primeiro que construtora vendeu, ainda em 2009. Tenho uma relação especial com esse prédio. E, agora, nem cartão e nem dinheiro eu posso voltar para pegar", disse Iracema Silva.

INDEPENDENTE.
Em meio à angústia pela indefinição também surgem informações desencontradas que deixam os moradores ainda mais preocupados.

Segundo um deles, que pede para não ter seu nome informado, um engenheiro químico teria ido até a obra nesta sexta-feira a pedido da Polícia Científica.

A presença causou estranheza porque esperava-se por mais um engenheiro civil.

Procurada, a Superintendência de Polícia Técnico-Científica disse que foi realizada visita técnica ao local "para vistoriar e realizar buscas de vestígios" e que "o perito criminal é uma atividade de curso superior, podendo servir de todas especialidades de formação do Instituto de Criminalística do Estado de São Paulo para a realização de exame".

"Assim que finalizado o laudo, será encaminhado à autoridade policial solicitante. Detalhes da visita serão preservados visando manter a autonomia do trabalho policial", afirmou a superintendência.

Na dúvida, os moradores, se uniram para contratar um engenheiro civil sem vínculos com autoridades ou a construtora.

"Já temos três orçamentos. Vamos contar com um perito independente, pago pelo nosso condomínio, para acompanhar tudo de perto e dar sua própria conclusão", conta Pedro Oliveira, 40, também morador no 18º andar e que, no momento, está acomodado em imóvel bancado pela construtora.

Enquanto ele e a família esperam por um retorno ao lar o jeito é improvisar. "Minha filha foi para a escola parecendo a boneca Emília: com uma peça de roupa de cada cor porque está sem uniforme. Nunca imaginaríamos uma situação dessas."

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Sabesp interrompe abastecimento de água em bairros de São Vicente

Serviços podem interferir no fornecimento nesta semana e na próxima

RODOVIAS

Consórcio Litoral Paulista vence leilão de concessão do Lote Paulista

Evento aconteceu na manhã desta terça-feira (16)

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter