Haddad pede que cidade de São Paulo seja avisada antes de receber imigrantes

De acordo com o prefeito, a capital paulista acolhe bem imigrantes, mas precisa de um aviso prévio para poder se planejar

Comentar
Compartilhar
19 MAI 201517h01

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, pediu ontem (19) que a cidade seja avisada com antecedência antes que grandes contingentes de imigrantes sejam enviados ao município. De acordo com Haddad, a capital paulista acolhe bem imigrantes, mas precisa de um aviso prévio para poder se planejar.

De acordo com o padre Paolo Parisi, da Paróquia Nossa Senhora da Paz, que abriga imigrantes e refugiados, mais de 40 haitianos chegaram a São Paulo de domingo (17) para segunda-feira (18) vindos do Acre, e mais 40 na última noite. Segundo matéria do jornal Folha de S.Paulo, cerca de mil imigrantes haitianos devem chegar à capital nos próximos dias vindos do Acre.

“São Paulo recebe bem seus imigrantes. A única coisa [que pedimos] é uma pequena antecedência para planejar e para conforto dos próprios imigrantes, para que eles não fiquem desassistidos. Imigrantes fizeram São Paulo. Temos de respeitar essas pessoas, acolhê-las. Mas para fazer isso bem feito, uma pequena antecedência nos ajuda a planejar a ação com mais efetividade”, disse Haddad.

Fernando Haddad pediu que a cidade de São Paulo seja avisada antes de receber imigrantes (Foto: Agência Brasil)

De acordo com o padre Parisi, atualmente cerca de 240 pessoas estão abrigadas na paróquia, sendo 110 na Casa do Migrante e 130 no salão da igreja. De abril do ano passado até dezembro, mais de 4 mil haitianos chegaram à capital paulista.

“A prefeitura de São Paulo foi surpreendida com a notícia veiculada na imprensa sobre a iminente chegada de cerca de mil imigrantes haitianos à capital. Sem notificação e prazo para planejamento e mobilização, nem por parte do governo do Acre nem por parte do Governo Federal, nossa cidade terá dificuldades para receber em sua rede assistencial essa quantidade de pessoas”, informou em nota a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania da capital paulista.

A reportagem entrou em contato com o governo do Acre e com o Ministério da Justiça. Até o momento, não recebeu resposta.