Seis pessoas são mortas em chacina na periferia de São Paulo

As vítimas foram encontradas num raio de 5 quilômetros, todas atingidas por arma de fogo. As mortes também ocorreram no mesmo horário, às 21h

Comentar
Compartilhar
16 ABR 201514h36

Seis pessoas foram assassinadas na região de Parelheiros, zona sul da capital paulista, na noite de ontem (16). As vítimas foram encontradas num raio de 5 quilômetros, todas atingidas por arma de fogo. As mortes também ocorreram no mesmo horário, às 21h.

Há suspeita de que os crimes possam ter sido retaliação à morte do policial militar Leonilson Figueiredo Filho, de 43 anos. Ele foi assassinado às 6h20 de ontem (15), na Estrada do 15, em Parelheiros, próximo de sua residência. O caso foi registrado como homicídio qualificado.

Entre as vítimas da chacina estão Wlisses Dias Júnior, de 35 anos, e outra vítima identificada apenas como Marcondes, conhecido como Índio. Eles foram encontrados na Rua Alice Bastide, altura do número 29. Segundo o Boletim de Ocorrência, eles receberam disparos na cabeça e no tórax. Testemunhas relataram que os tiros partiram de um carro prata, com quatro pessoas, que usavam toucas ninja. Havia também dois ocupantes em uma motocicleta, que participaram da ação.

Próximo dali, a 800 metros, o vendedor ambulante Renato Dias da Silva, de 40 anos, e seu filho Wendel Costa Dias, de 19 anos, foram mortos na Rua Sônia, altura do número 7. Eles foram assassinados com diversos disparos na cabeça e tórax.

Na Rua Fonte Nova, número 29, Cleiton Moura da Silva, 21 anos, morreu com tiros na cabeça e nas costas. Rodrigo da Silva Costa, de 26 anos, chegou a ser socorrido pelo pai, mas morreu no Pronto-Socorro de Parelheiros. Outro rapaz de 25 anos ficou ferido, e foi levado para o Pronto-Socorro do Grajaú e, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, passa por uma cirurgia nesta tarde. O quadro de saúde dele é estável.

Os casos foram encaminhados para o Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), que investigará se há relação entre os crimes.