Polícia Civil esclarece latrocínio de motorista de aplicativo na Via Anchieta; dois estão presos

Crime ocorreu em abril de 2018 e os acusados respondem presos preventivamente

Comentar
Compartilhar
11 ABR 2019Por Gilmar Alves Jr.16h22
Motorista Luiz Carlos Lopes Mendonça Júnior foi morto com dois tiros em 3 de abril de 2018Motorista Luiz Carlos Lopes Mendonça Júnior foi morto com dois tiros em 3 de abril de 2018

A Polícia Civil divulgou nesta quinta-feira (11) que esclareceu a autoria do latrocínio (roubo seguido de morte) do motorista de aplicativo Luiz Carlos Lopes Mendonça Júnior, de 41 anos, e indiciou dois homens, que respondem presos preventivamente. O crime ocorreu em 3 de abril de 2018 na Via Anchieta, no Jardim Piratininga, em Santos. 

Mendonça Júnior reagiu ao delito, durante uma corrida com destino a Cubatão, e foi atingido por dois tiros no tórax. 

Um dos acusados está preso desde o ano passado e outro foi capturado em 28 de março na casa do avô, no Cota 200, em Cubatão. 

O primeiro capturado nega ligação com o latrocínio e o segundo admite participação, mas diz que foi o comparsa quem atirou, conforme informou o delegado Renato Mazagão Júnior, titular do Setor de Homicídios da Delegacia Especializada Antissequestro (Deas) em entrevista coletiva na manhã desta quinta. 

A equipe de Mazagão Júnior e do investigador-chefe da Deas, Marcelo Canuto, apurou que o telefone da mulher do segundo detido foi utilizado para solicitar a corrida na Avenida Ana Costa, em Santos.

Ao ser ouvida na delegacia, ela falou que emprestou o telefone ao companheiro e foi relacionada como testemunha. 

Os dois acusados também respondem por diversos roubos de carros em Cubatão. 

Homicídio em São Vicente

Conforme anunciou Mazagão Júnior, também está esclarecida a autoria do homicídio de Leonardo Geraldo da Silva, no Parque São Vicente, que foi atacado a pancadas em 5 de abril do ano passado. Dois acusados foram presos no início deste ano e um terceiro em 28 de abril. 

No inquérito, os investigadores apuraram que o crime ocorreu após a vítima discutir com o trio em razão de "simpatizar" com uma facção criminosa do Nordeste.