X

Operação Verão

Número de mortes na Operação Verão sobe para 56 no litoral paulista

A SSP informou que 1.055 suspeitos foram detidos durante a 3ª fase da Operação Verão na Baixada Santista, entre eles 434 procurados pela Justiça

FOLHAPRESS

Publicado em 30/03/2024 às 21:10

Atualizado em 02/04/2024 às 08:54

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Policiais em patrulhamento durante a Operação Verão na Baixada Santista / Divulgação/SSP

Um homem de 22 anos morreu em confronto com a Polícia Militar na Vila Santa Rosa, no Guarujá, na tarde de sexta-feira (29). A informação foi divulgada pela SSP (Secretaria da Segurança Pública) de São Paulo. Com isso, o número de mortes na Operação Verão no litoral de SP subiu para 56. O balanço é da SSP.

A polícia informou que suspeito estaria armado e com um rádio comunicador. Agentes realizavam operação de combate ao tráfico de drogas.

Ao perceber a aproximação da polícia, o suspeito tentou fugir e apontou a arma na direção dos agentes, que intervieram, segundo a SSP. Ele foi atingido e o óbito constatado no local por uma equipe do Samu. O nome do suspeito não foi divulgado.

De acordo com a SSP, foram apreendidos uma pistola .40, um rádio comunicador e 379 porções de drogas, incluindo maconha, cocaína, crack e haxixe, que estavam dentro de uma sacola.

Exames periciais foram solicitados e o caso registrado como tráfico de entorpecentes, posse ou porte ilegal de arma de fogo, morte decorrente de intervenção policial e legítima defesa.

A SSP informou que 1.055 suspeitos foram detidos durante a 3ª fase da Operação Verão na Baixada Santista, entre eles 434 procurados pela Justiça. Foram apreendidas 2,5 toneladas de drogas, além de 118 armas ilegais, incluindo fuzis de uso restrito.

O governo paulista esclareceu que as mortes em confronto são resultado da reação violenta dos criminosos ao trabalho policial. "Todos os casos são rigorosamente investigados pela Polícia Civil e Militar, com acompanhamento das respectivas corregedorias, Ministério Público e Poder Judiciário", disse a pasta em nota enviada ao UOL.

Siga as notícias do Diário do Litoral no Google Notícias

Secretário é denunciado após mortes

O Condepe (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana) enviou uma representação contra Guilherme Derrite ao procurador-geral de Justiça de São Paulo. A representação contra o secretário de Segurança Pública de São Paulo cita improbidade administrativa no que diz respeito às operações da polícia com letalidade histórica no litoral paulista.

Condepe diz que SSP não respondeu a nenhum questionamento sobre as mortes decorrentes das operações policiais. O primeiro pedido, feito em 10 de agosto de 2023, pediu as cópias dos laudos periciais de 15 pessoas mortas por agentes ainda sob a tutela da antiga Operação Escudo. Em 5 de fevereiro de 2024, o Conselho solicitou mais sete boletins de ocorrência associados a mortes já na Operação Verão.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

SSP diz que tomou conhecimento da representação e que as mortes são "rigorosamente investigadas". "A pasta teve conhecimento informal da representação do Condepe e irá responder aos questionamentos assim que acionada pelo Ministério Público", disse o órgão em nota.

Negativa da SSP em responder demonstra que governo de SP não quer prestar contas à sociedade, rebate representação. O presidente do Condepe, Dimitri Sales, chega a citar a declaração do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) que desprezou a denúncia feita por organizações em órgão da ONU contra o nível de mortalidade das operações recentes.

Mortes de policiais em serviço não podem deixar de ser investigadas, mas não devem permitir "ilegalidade e arbitrariedade". O documento diz que, enquanto as mortes dos agentes devem ser rechaçadas, as denúncias de órgãos de direitos humanos contra as ações da polícia e contra métodos adotados na Operação Verão não podem passar em branco.

"Policiais que atuam nas Operações Escudo e Verão têm sido levados de batalhões do interior do Estado de São Paulo, em que ainda não foram implantadas câmeras corporais, dificultando qualquer controle da atividade dos agentes de segurança pública, assim como expondo-os ao risco de morte decorrente da atividade por eles desempenhada.", aponta trecho da representação contra Guilherme Derrite.
 

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

Santos chega a acordo e transfer ban acaba

O alvinegro agora pode inscrever jogadores na Série B

Cotidiano

Litoral de SP será atingido por temporal ainda nesta quarta-feira

Frente fria vinda da Argentina será a responsável pelo fenômeno

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter