Latrocínios crescem 35% na Baixada Santista

Já os homicídios dolosos (com intenção de matar) tiveram queda de 22% em relação a 2013

Comentar
Compartilhar
27 DEZ 201407h48

Um crime que vem assustando a população da Baixada Santista está crescendo na Região: o latrocínio. Três casos foram registrados em novembro deste ano, segundo estatísticas da Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo.

O número, que parece baixo, aponta um crescimento em relação a outubro do mesmo ano — quando somente um caso foi registrado — e ao mesmo período no ano passado (novembro de 2013) — dois casos foram registrados. Os casos de novembro de 2014 aconteceram em Santos, Guarujá e Itanhaém.

O crescimento também é apontado em relação ao total de casos no ano. Em 2013, 23 latrocínios foram registrados na Região. Este ano, entre janeiro e novembro, 27 casos já foram totalizados. Comparando ao mesmo período do ano passado (20 casos registrados), o aumento marcou 35%.

O maior número de latrocínios cometidos foi em São Vicente, onde foram registrados sete casos. Praia Grande registrou seis ocorrências do tipo. Guarujá e Itanhaém, quatro casos cada uma. Santos registrou três casos, Mongaguá teve dois e Bertioga somente um. Cubatão e Peruíbe não registraram ocorrências do tipo durante janeiro e novembro deste ano.


>Carros - Roubos e furtos de veículos apresentaram alta entre janeiro e novembro (Foto: Matheus Tagé/DL)

Homicídios

Já o número de homicídios dolosos (com intenção de matar) na Região caiu 22% em relação ao ano passado. O mesmo período de registro foi verificado: janeiro a novembro. Foram 156 casos em 2014 e 200 em 2013.

registrado em Guarujá: 36 casos. Em São Vicente foram 34 ocorrências do tipo. Praia Grande vem em seguida com 26 registros de homicídio doloso. Em Cubatão foram 15 casos, Itanhaém marcou 13 ocorrências e Santos teve 12 casos registrados. Bertioga e Mongaguá, sete casos cada uma. E Peruíbe registrou seis ocorrências durante janeiro e novembro deste ano.